Fotolia

A Genialidade de Tarkovsky

Andrei Tarkovsky

Fala criativos!

Hoje gostaria de falar sobre um cineasta que considero simplesmente um gênio do cinema, Andrei Tarkovsky. Nascido em Zavrzhe, na atual Bielo 1932, filho do poeta Arseny Tarkovsky, o cineasta produziu apenas 7 filmes, mas que são aulas absolutas de cinema.

Muito do que Tarkovsky criou a partir dos seus filmes não se refere unicamente ao plano técnico de cinema (enquadramentos, movimentos de câmera, fotografia, etc), contudo o cineasta explorou muito a questão emocional e filosófica do ser humano, seus filmes assim necessitam mais de uma sessão para conseguir se absorver tamanha riqueza de detalhes.

Acho importante para qualquer profissional criativo adquirir inspiração e lições dos mais diversos meios. Tarkovsky me ensinou grandes lições e vou compartilhar aqui com vocês.

O som e o silêncio contam histórias

Os filmes de Tarkovsky são extremamente silenciosos, muitas vezes beirando o insuportável e é ai que o cineasta se mostra genial, não só por saber usar o silêncio como um recurso para criar tensão, demonstrar tédio ou estagnação.

O sound design de seus filmes também é um caso a parte, muitas vezes os sons parecem desconexos da cena, entretanto nada está ali por acaso. Tarkovsky sabia muito bem que o audio não era um simples acompanhante do video e sempre deu uma imensa importância a edição sonora e trilha que acompanhava o filme.

O tempo é elástico

Um dos temas mais explorados nos filmes de Tarkovsky é o tempo e nossa relação com ele, seja através de uma reflexão sobre o passado ou uma angústia quanto ao futuro. A maneira como o cineasta controla o tempo em seus filmes é impecável, vai desde sequências longas e perturbadoras em que o tempo parece ter congelado, a saltos temporais que nos fazem questionar se aquilo aconteceu de verdade ou foi apenas um sonho.

Mostrar > Falar

Muito do storytelling de seus filmes parece ficar implícito, visto que embora existam diálogos, eles não são explicativos do que está acontecendo ou aconteceu. Muitas vezes, estes nem são necessários, visto que as ações dos personagens deixam claro o que está acontecendo para o espectador, revelando mais do que monólogos imensos que filmes modernos costumam fazer.

Dinâmica através de enquadramento e movimentos

Complementando o seu uso de tomadas compridas, Tarkovsky possui alguns dos enquadramentos mais bonitos já vistos no cinema, muitas vezes comparado ao também gênio, Stanley Kubrick. Seus movimentos de câmera também não são ao acaso, eles geram grande imersão, seja através de lentas panorâmicas que mostram o cenário ou através de um zoom que nos inclui na situação através de uma janela ou uma porta. Tarkovsky sabia como nos fazer como verdadeiras visitas em sua sala.

Luz, cores e texturas compõem a pintura

O uso de textura nos filmes de Tarkovsky é constante, existe uma abundância de formas e cores em meio a uma fotografia que sempre está de acordo com sentimento da cena. O cineasta via cenas de um filme como pinturas que devem ser cuidadosamente compostas, como em afrescos de uma igreja, tudo requer um penso e compreensão.

Uma ótima maneira prática e mais rápida de treinar enquadramentos, luz/sombra e cores é através da fotografia, algo que Tarkovsky provavelmente utilizava para poupar tempo. Mas caso você não disponha de tempo, modelos e locação para pensar em composições interessantes, uma dica que eu recomendo é fazer montagens no Photoshop.

Algo que pode facilitar muito na sua criação é ter acesso a imagens diversas e de boa qualidade, um bom lugar para encontrar estas para uso em seu layout, é o Fotolia da Adobe, um banco de imagens líder mundial, que dá acesso instantâneo a mais de 62 Milhões de imagens, vetores, ilustrações e videoclipes, ou seja, um excelente material não só para estudar mas para trabalhos diversos!

Clique aqui para comentar ( )