Design

Como comunica a imagem em design

O papel do designer na composição de informação parece menos complexo quando comparamos com outras especialidades, no entanto, pode-se entender ao longo da carreira o quão complexo é, e a necessidade de envolvimento de conhecimentos relacionados a outras áreas, que exigem muito mais estudos. Muitos autores costumam ter mais intimidade com o texto, do que com imagens, que provavelmente poderiam melhor ilustrar as ideias colocadas em texto, porque é a forma que encontram para expressar suas ideias, suas visões do mundo, suas espectativas e utopias.

O papel do designer, começa a se estender, porque não se pode limitar apenas ao design de informação, mas tem de compreender como é que uma imagem comunica ao leitor, que emoções provoca e como pode ser eficaz a sua colocação numa página. Uma imagem não vale apenas mil palavras, mas é um veículo que carrega consigo emoções, cultura, expressões e sentimentos.

Existem várias formas de imagens, uma ilustração presente em uma história de um conto policial é uma imagem, que pode representar uma ou várias páginas do texto escrito. “As imagens, fotografias, ilustrações, desenhos ou diagramas possuem um papel-chave para nos ajudar a identificar objetos, pessoas e ideias. Muitos livros de referência objetivam especificamente esse propósito, por exemplo, as listas da espécie Quem é quem, que exibem informações sobre celebridades e astros ou os dicionários ilustrados, que fornecem definições visuais.” HASLAM:2010

Se, por exemplo apresentarmos dados estatísticos, números em texto, certamente a complexidade para compreender será maior, do que quando as mesmas forem apresentadas em gráficos, que é na verdade uma forma de imagem, usamos a imagem para resumir uma informação e torna-la facilmente legível e compreensível a pessoas preparadas para entender. É verdade que nem todas pessoas podem ter a mesma facilidade na leitura em gráficos, mas é um facto inegável que a leitura é muito mais rápida em gráficos e facilita interpretações, do que em texto corrido.

“Para que as mensagens sejam transmitidas, recebidas e guardadas, o autor e o leitor precisam compartilhar de uma linguagem comum e de uma cultura similar. Por consequência, o designer e o editor devem respeitar essa linguagem, seja ela escrita ou gráfica. As pessoas são capazes de perceber, compreender e reter informações que lhes são apresentadas por meio de formas e linguagens com as quais possuam familiaridade.” HASLAM:2010

O mesmo deve ser observado na escolha de uma imagem para uma publicação. Certa vez observei que em uma apresentação um estudante apresentava uma crítica justa em relação ao mobiliário escolar numa região em Moçambique, no entanto a imagem que usava era de um outro espaço, uma situação, num outro país. O impacto foi totalmente diferente do que, talvez seria se fosse uma imagem de uma situação real, a imagem não comunicou o que devia se comunicado. Por isso, a extrema cautela na selecção das imagens para capas de jornais, procuramos a imagem que queremos que “venda”, o que queremos que seja comunicado ao leitor, mesmo antes de ler o texto escrito.

Em publicações que envolvam imagens, para além de reservar um espaço, o designer precisa definir o que realmente quer que seja comunicado pela imagem a ser colocada. Claro que em equipes um pouco maiores o espaço de discussão é maior e as opiniões muito mais ricas.

Para compreendermos como é que uma imagem pode comunicar, podemos pegar um simples exemplo: observe a foto do autor de um romance policial e do autor de um livro didáctico de Matemática. Os dois casos são autores, mas por causa do género, provavelmente suas imagens vão diferir, e qualquer um que observe pode notar a diferente do que cada uma delas comunica.

A imagem em design é indispensável. Não pode ser jogada porque houve falta de texto. A imagem deve ter um propósito muito bem pensado. Porque, querendo ou não, ela vai comunicar. Qualquer imagem comunica alguma coisa, o importante é definir se o que comunica é o que queremos que ela comunique.

Imagine uma manchete assim: “Homens ricos em novos lugares”, acompanhado de uma imagem que mostra um canto perdido e sujo no meio de uma cidade. Provavelmente, depois de analisarmos vamos achar que poderá ter havido falha na colocação da informação e imagem. Esse facto não implica que os títulos (quaisquer) tenham de descrever exactamente o que está na imagem, mas a imagem deve comunicar o que pretende e nunca contradizer o título.

A imagem, qualquer que seja, é um poderoso meio de comunicação e reforça o texto e outros elementos necessários para tornar o discurso visual mais persuasivo. A imagem transforma-se numa poderosa arma, quando se sabe a finalidade dela e quando conscientemente colocada. A imagem comunica, diferentes situações, e reforça a informação escrita, em livros infantis, histórias, jornais, revistas, livros científicos, entre outros. Era importante que continuássemos a estudar o poder da imagens em projectos de design e o seu poder psicológico, a nível comunicacional.

Clique aqui para comentar ( )