Entretenimento

Em sua 10ª edição, a CowParade Brasil volta à São Paulo

Uma das maiores exposições de arte de rua do mundo completa 10 anos e volta à São Paulo, a partir de 26 de abril.

Reprodução / Facebook

Em 1999 surge a CowParede, criada por Pascal Knapp.

O artísta suíco desenvolveu diversas esculturas (que são em fibra de vidro e em três poses diferentes, em pé, pastando e repousando). A princípio com o objetivo de despertar o riso. Em 2000, foi comprado pela empresa americana Cow Parede Holding Icn. Mais de 5 mil esculturas já foram criadas e distribuídas pelo mundo todo. Aqui, no Brasil, a Toptrends, empresa brasileira, fundada em 2004, é quem idealiza o evento.

Basicamente com o objetivo de promover a responsabilidade social, ao final do evento as peças são leiloadas e algumas instituições sem fins lucrativos recebem o dinheiro. Estima-se que, no Brasil, o projeto já arrecadou mais de R$ 5 milhões, segundo o site oficial.


Este ano, em comemoração à 10ª edição, artistas locais serão convidados para homenagear uma das 45 cidades por onde a CowParede já passou. Com a temática “uma viagem pelo mundo”, os organizadores esperam atrair artistas que queiram expressar sua criatividade nas famosas esculturas de vacas.

A inscrição é gratuita e fica aberta até o próximo domingo (19), no site oficial. Corre, ainda dá tempo! É uma ótima oportunidade para artesãos, arquitetos, designers, publicitários etc.

O rebanho de vaquinhas coloridas já passaram pela capital paulista, em 2010. Distribuídas por São Paulo, é quase impossível não parar e fazer uma foto. Costumam ficar espalhadas em lugares conhecidos (estações de metrô, parques, praças…) principalmente em pontos turísticos (Avenida Paulista e Parque Ibirapuera, certamente receberão uma escultura).

Além de brincar de caça-às-vacas, você pode aproveitar para conhecer algum lugar novo da cidade e, principalmente, novos artistas.

“Por que VACAS?
Há algo de mágico com a vaca. Ela representa coisas diferentes para pessoas diferentes ao redor do mundo: é sagrada, é histórica, mas o sentimento comum é de carinho. Ela simplesmente faz todos sorrirem.”

 

 

 

Clique aqui para comentar ( )