Design

Inovação: a segunda alma do negócio

Para alguns, trabalhar com publicidade parece fácil, afinal “é só criar alguma coisa legal pra alguma data aí”. Mas hoje, não entraremos na questão que o “problema” justamente está em ~criar alguma coisa legal~, por mais criativa que a pessoa seja, e o quanto de trabalho existe antes para chegar na ideia.

Abordaremos  sobre as iscas que vêm sendo utilizadas para conquistar e fidelizar clientes, principalmente nas redes sociais onde o engajamento muitas vezes vira mais notícia que o anúncio em si.

Um bom exemplo de isca são as datas comemorativas. Natal, Páscoa, Dia das Mães, Dia dos Pais…são nas datas comemorativas que as marcas aproveitam a oportunidade para alavancar suas vendas, criando campanhas voltadas especialmente para elas e, assim, conquistando um determinado pico de resultados.

Pense em uma agência de viagens. Viajar nos meses de janeiro, julho, dezembro e qualquer feriado prolongado, são as datas mais caras para fechar uma viagem, tudo porque são “meses de férias”. É como se esses períodos fossem as datas comemorativas das empresas desse segmento. Contudo, ainda existem outros meses no ano e elas precisam manter suas portas abertas.

Começamos esse texto sabendo que há diversas fases antes de chegar na ideia principal, como o atendimento para o briefing, a pesquisa e o planejamento. Mas há algo que precisa acompanhá-las se não o resultado será mesmice: a inovação.

Toda empresa sabe qual é seu trabalho, mas manter os bons resultados é um desafio diário. É preciso vender o próprio peixe sem essa ajudinha das comemorações. O Mc Donald’s é um bom modelo de como sobreviver vendendo sempre os mesmos sanduíches e ainda ignorar a concorrência com superioridade, chega a ser incrível como eles sempre se superam.

A inovação da vez, foi disponibilizar um cupom de desconto (que muitas redes de fast food fazem) por meio da plataforma WeTransfer, usada para enviar/receber arquivos pesados de forma mais rápida.

A imagem possuía 50 mil pixels, e os clientes tinham que se virar para achar o cupom promocional no meio dessa imagem enorme e brilhante ideia. O “joguinho” desafia o consumidor, que sente essa necessidade e até vira questão de honra encontrar o que foi solicitado, para que no fim venha a recompensa.

Falando parece fácil, mas o que a equipe do Mc deve ter feito de pesquisa para chegar nessa ideia de usar uma plataforma nunca utilizada para esse fim, não foi da noite para o dia. Mas é assim que a banda toca, aliando a inovação à propaganda, o resultado é nada mais nada menos que a liderança.

Clique aqui para comentar ( )