Publi e MKT

Relacionamento com o cliente e o Marketing de Permissão

Fonte: Fotolia

Você já foi “incomodado” com as propagandas no inicio ou durante aquele vídeo sensacional que você estava assistindo? Bem, você não pediu para ele estar ali e nem queria isto. A experiência desejada seria de consumir seu conteúdo sem interrupções, não é?

Bem, essa é uma das formas que diversas marcas utilizam para impactarem/atingir seu público e aqui eu não quero desenvolver nenhuma crítica à diversas formas de abordagem publicitária. Citei o exemplo acima para inserir você, da melhor forma possível, em uma abordagem, digamos, “menos invasiva”.

Para simplificar, na estratégia acima você é “obrigado” a consumir pelo menos uma parte de um anúncio, no Marketing de Permissão, você é convidado/atraido ao consumo.

Vamos entender melhor?

Como sempre afirmo em treinamentos, rodas de conversa e mentorias, o cliente não é mais um assunto, mas sim parte integrante de nossa mesa de reunião. Ele tem vontades, desejos e opiniões, é nisto que as estratégias utilizadas por profissionais e empresas devem se basear, experiência. É ela que nos atrai, principalmente quando participamos do processo.

Então?—?apesar de auto explicativo?—?o Marketing de Permissão tem como principal fim a conquista da atenção e autorização para receber mais informações sobre nosso produto.

Esse modelo de marketing surgiu em 1999 em um livro chamado “Permission marketing: turning strangers into friends, and friends into customer” (Marketing de Permissão: transformando estranhos em amigos, e amigos em clientes), escrito por um dos maiores nomes do marketing: Seth Godin.

Se engana quem acha que spans e poluição publicitária é algo recente. Há muitos anos somos bombardeados por propaganda e ela, cada vez mais, perde efetividade em meio a tanto ruído e é nesse cenário que Seth Godin viu a oportunidade de um respeito mútuo entre consumidor e empresa, trazendo novas perspectivas às abordagens que utilizamos.

Arrisco dizer que a partir dessa visão, diversas formas diferentes de produzir conteúdo foram modificadas e criadas, tendo como base principal uma relação próxima e produtiva.

Apesar de uma visão inovadora, existem meios que?—?ainda?—?não conseguimos escolher o tipo de propaganda que gostaríamos de consumir. Nisto temos ainda um longo caminho à percorrer.

Emails, SMS e algumas outras mídias/meios já se utilizam dessa abordagem e que por uma questão óbvia, gostamos de ter a sensação de escolha. Principalmente, se tratando de publicidade.

Mas, quais são os seus benefícios?

Há diversos motivos para se utilizar dessa abordagem:

  • Menos é mais?—?apesar de ser uma máxima clichê, é uma verdade dentro da Publicidade. No Marketing de Permissão nossa comunicação tem menos dispersão e qualifica melhor nosso público, facilitando a gestão em um funil de venda.
  • Eu REALMENTE tenho interesse?—?ainda sobre o que citei acima, ao utilizar essa abordagem, qualifico o meu público e dessa forma podemos elaborar abordagens mais específicas e humanizadas, aumentando em então a proximidade entre a marca e seu?—?possível?—?consumidor e isso nos leva ao próximo ponto.
  • Eu QUERO porque CONHEÇO?—?em qualquer relação, a confiança é uma das bases fundamentais e isso se dá através de uma comunicação bem feita e valores que são compartilhados entre as partes. Conhecendo seu público e gerando essa relação ganhamos sua confiança e, consequentemente, vendemos mais.

Muito lindo, mas como posso aplicar?

Como diria Jack, “Vamos por partes”. Seguindo alguns passos você poderá começar à implementar ações em sua empresa.

Conteúdo interessante e atrativo para seu público

Começamos com a “velha” máxima no momento, conteúdo relevante.

A melhora analogia é a que usei linha acima: estamos falando de uma relação que está sendo desenvolvida. Algo tem que chamar a atenção e nada melhor que um bom conteúdo?—?marketing de conteúdo?—?e como ele chega até mim?—?SEO.

Bons conteúdos aliados à facilidade de como esse mesmo conteúdo é encontrado em relação aos meus interesses traz o “controle da situação” para o cliente e é isso que ele ama (na verdade, AMAMOS).

Aqui chegamos à uma “polêmica”: formulários Opt-in

Para se ter permissão, deve se haver uma pergunta e uma ação. Logo, você precisa do consentimento das pessoas para continuar enviando conteúdo relevante e estreitando ainda mais a relação e, na internet, você precisa gerar(usar) meios para isto.

Para blog, crie caixas de inscrição(modal) de fácil leitura e abordagem “suave” ou landing pages com conteúdo que REALMENTE seja interessante e que desperte o interesse do seu público. Em caso de emails, envie um email perguntando se deseja mais conteúdo.

UM AVISO: DEIXE CLARO QUAL TIPO DE CONTEÚDO VOCÊ ESTARÁ DISPONIBILIZANDO. LEMBRE-SE QUE É UMA RELAÇÃO E ESTAMOS DESENVOLVENDO A CONFIANÇA DE NOSSO PÚBLICO, OK?

Agora vamos ao que mais me pedem: e no caso da “loja física”?. Fácil!
Pergunte aos seus clientes?—?preferencialmente, no caixa durante o fechamento da compra?—?se eles desejam receber novidades e promoções. Utilize principalmente mídias como Whatsapp. Sobre ele, farei um artigo exclusivo em breve.

Detalhe importante: lembre-se de sempre deixar clara a razão pela qual a pessoa está preenchendo um formulário. Se ela está se cadastrando para receber apenas os seus conteúdos, então não force a amizade enviando promoções e ofertas, ok?

Se você quiser enviar um conteúdo mais comercial, peça uma nova permissão aos assinantes da sua lista.

Gosta de pessoas inconvenientes? Nem eu, nem seu cliente.

Vou lembrar várias vezes: estamos falando de uma relação. Sendo assim, é importante saber quando o seu cliente deseja receber informações ou promoções e se ele tem alguma preferência ou sugestão, além de valer a máxima do bom senso.

Clichê, mas essencial: opt-out

Dê opções ao seu cliente de saída se ele não deseja mais receber informações. Além de importante, é uma uma exigência legal.

Essa opção é importante para filtrar ainda melhor o público que está recebendo seu conteúdo/promoção.

Ótimo! Quero aplicar, mas tem algo que eu não deva fazer?

Se você é uma pessoa com bom senso e entendeu a analogia de um relacionamento, você sabe o que não deve fazer para conquistar a confiança de desenvolver uma relação saudável, mas é sempre bom dar alguns toques.

  • seja claro e honesto: deixe claro qual conteúdo o público irá receber e envie somente este conteúdo. Ao passo que for estreitando a relação, peça novas permissões e envie conteúdo mais promocional;
  • não complique: seja direto ao ponto. Peça o essencial para se comunicar e conquista as informações seguintes.

Entenda que o Marketing de Permissão é uma abordagem humanizada?—?por assim dizer?—?de estratégia e tática. Por isso, tem seu tempo e duração. É importante planejar e executar com paciência para obter os melhores resultados.

Vale lembrar?—?como sempre afirmo?—?que essa é UMA abordagem. Seu projeto precisa ser olhado de forma macro e, sendo assim, precisa de diversas ferramentas que facilitem a comunicação interna e externa, gestão de resultados e diversos outros aspectos.

Quer saber mais? Tem dúvidas? Deixe seu comentário!
Sucesso e Paz

Clique aqui para comentar ( )