Fotolia

Metas ou sistemas? O que é melhor?

Unplash

Fala criativos! Hoje gostaria de continuar falando sobre organização pessoal e profissional, indo mais a fundo em um tópico que começou a ser discutido em um dos primeiros posts que realizei aqui para o Design Culture (você pode ler ele aqui)Algo recorrente em nossas vidas é sempre procurar um direcionamento, um norte para onde devemos ir na sequência, de certa maneira ter um planejamento, mesmo que mínimo para o próximo ano ou mesmo os próximos 6 meses é algo fundamental para seu desenvolvimento enquanto ser-humano.

Muitas vezes nos perdemos no caminho entre o planejar e o realizar, o que é completamente normal antes que você se pergunte, contudo existem sim métodos diversos que podem lhe auxiliar a atingir os seus objetivos, Scott Adams, o autor das tirinhas do Gilbert é um grande defensor de sistemas no lugar de metas, assunto que vamos explorar melhor na sequência.

METAS

Utilizar metas para estipular um planejamento é provavelmente o sistema mais intuitivo e comum entre as pessoas, vamos criar uma situação hipotética: Digamos que você está acima do peso e gostaria de perder alguns quilos, provavelmente você estipulará duas metas. A primeira é de perder “x” quilos até a data “x”, a segunda é de fazer exercício “x” vezes por semana.

Bem mas o que tem de errado com essas duas metas? Particularmente, o fato de você estipular elas não está errado, é bom colocar prazos para as coisas acontecerem, mas você deve notar que não existe necessariamente um método para a execução das mesmas, apenas um imposição de prazo que pode ou não gerar um prejuízo.

Eu já estive nesse mesmo lugar, fazia listas e listas com metas mas não via resolução de nem metade delas ao longo dos prazos estipulados. Percepção essa que me levou a fazer duas considerações na época:

A primeira é que as metas deveriam ser divididas em sub-metas e essas em tarefas, visto que ao colocar uma meta como “perder x quilos” havia diversas sub metas a serem alcançadas no caminho como “baixar o consumo de doces” ou “comer mais verduras e proteínas” e por ai vai. Assim como essas sub metas deveriam ser divididas em tarefas como “comprar gelatina no lugar de chocolate” ou “ir no supermercado sempre depois do almoço ou janta para não fazer compras com fome”.

A segunda percepção que tive é que os prazos que eu estava estipulando não só eram irreais por causa da falta de compreensão de todo o esforço que requeria resolver essas metas, mas também porque temos que lembrar que a imprevisibilidade da vida irá sempre nos jogar de um lado para o outro com as eventualidades que aparecem. Digamos que nessa meta de “emagrecer “x” quilos” você durante esse período recebeu uma proposta de emprego interessante e se mudou e,logo, teve que priorizar essas questões em detrimento de sua meta. Não vamos ver isso como um problema, é bem comum termos que colocar prioridades na vida de acordo com os acontecimentos da mesma e por isso não pode existir frustração em relação ao prazo de suas metas. Desta maneira, o que eu recomendaria é que você não coloque datas específicas para as suas metas, seja mais genérico, algo como “nos próximos 2 anos” ou se preferir, nem coloque prazos. É melhor e mais tranquilo colocar prazo nas sub metas e nas tarefas por serem partes menores do processo, mas eu particularmente prefiro apenas ter uma lista sem datas, no máximo com as prioridades em negrito, é claro que isso vai muito de cada um.

SISTEMAS

Particularmente, me apaixonei por sistemas nesses último 2 anos, hoje faço um misto de metas + sistemas para organizar minha vida profissional e pessoal, mas se precisasse escolher entre um dos dois iria com certeza para sistemas. E faço essa escolha por uma questão bem simples: Sistemas estão intrinsecamente ligados aos seus hábitos e, como diria o escritor Charles Duhigg, autor do livro “O Poder do Hábito”, são os nossos hábitos diários que nos fazem ser quem somos. Então voltando a nossa situação hipotética em que gostaríamos de perder “x” quilos, de nada adianta estipularmos essa meta se não olharmos para o que está causando esse problema, provavelmente são hábitos que estamos fazendo (comendo muito carboidratos) ou deixando de fazer diariamente (fazer uma sessão de exercício físico).

Parece besteira, mas imaginem o sistema de hábitos como uma obra de um prédio: Se cada parede necessita uns 30 tijolos e se a cada dia nos concentrarmos em colocar 1 perfeitamente encaixado, ao final de 1 ano teremos 12 paredes perfeitamente construídas. Essa é a parte interessante do sistema de metas, ele lhe coloca na situação, no agora e não em um cenário hipotético que talvez venha a acontecer, quando você se concentra no que você pode fazer hoje para lhe aproximar de sua meta é mais fácil.

Se fossemos aplicar um sistema de metas para essa meta apresentada, poderia citar que você poderia aplicar o hábito de fazer todos os dias no horário “x” 30 minutos de exercício sem falta ou de todos os dias comer uma quantidade “x” de legumes. Antes que você pergunte, sim, haverá furos nessa corrente e isso é completamente normal, como já foi falado acima a vida costuma surgir com eventualidades que vão te atrapalhar, é bem provável que alguns dias não dê para se exercitar 30 minutos ou você foi viajar e não tinha nenhum alimento muito saudável a sua disposição. Contudo, não encare isto como um problema, se não foi possível cumprir com o sistema hoje, sempre haverá o amanhã, o mais importante é não desestimular.

Uma das melhores maneiras de automatizar esse processo é colocando gatilhos que facilitem a execução desses sistemas e dai vai de cada um, pessoalmente eu adoro colocar lembretes no celular para justamente agendar e não precisar ficar me preocupando e ocupando minha mente com isso. Quando for a hora correta, eu serei avisado do que é necessário fazer e irei fazer sem pensar duas vezes, assim criando um padrão na minha cabeça e um certo “estimulo-resposta” que facilita a criação dos hábitos a longo prazo.

CONCLUINDO

Qual dos dois métodos é melhor para alcançar seus objetivos? Eu diria que um misto dos dois, visto que metas podem ser muito boas para estipular objetivos, dando significado para os mesmos e sistemas são importantes para conseguir diariamente se estar mais e mais perto do seu objetivo.

É sempre interessante identificar métodos que podem nos auxiliar a simplificar tanto nossa vida profissional como pessoal. Uma dica que posso dar que é bem interessante é , independentemente de você estar em uma profissão criativa ou apenas praticar por hobby, é ter acesso a um banco de imagens. Pode parecer besteira, mas ter acesso a um banco de imagens pode fazer uma baita diferença na hora de juntar recursos para criar métodos mais produtivos. Seja para estudo ou para trabalho, ter acesso a materiais de qualidade é essencial para a evolução de um profissional criativo.

E o pessoal da Fotolia faz um trabalho magnífico de curadoria de imagens e videos para você ter mais tempo para dedicar-se a seus projetos. Para quem não conhece, o Fotolia é um banco de imagens líder mundial, que dá acesso instantâneo a mais de 62 Milhões de imagens, vetores, ilustrações e videoclipes. Clicando nesse LINK você ganha 20% de desconto em suas compras,

Clique aqui para comentar ( )