Design

Novas embalagens da Coca-Cola x Importância do Design

Olá pessoal!

A manipulação de imagens, marcas e logotipos, vem ganhando e conquistando cada vez mais espaço nas empresas. Para designs e profissionais da área, sem dúvida este tem sido um grande avanço e valorização da profissão. Tendo em vista, a importância de apresentar produtos cada vez mais atrativos aos olhos dos clientes. Temos falado muito sobre esse assunto, em postagens diárias. Quantas vezes você foi ao shopping fazer determinada compra e se surpreendeu ao voltar para casa com mais do que deveria? Ou mesmo, quantas vezes você já comprou um produto apenas por conta da embalagem? Tudo isso é design.

Pensando assim, a Coca-Cola, anunciou nesta segunda-feira, dia 16, a mudança da identidade visual de suas embalagens. A proposta é transformar em “marca única”, com ênfase nas opções de zero ou menos açúcar. Como assim? Estamos acostumados com as latinhas vermelha, verde (Stevia) e preta (zero açúcar). A partir de agora, será unificado em uma mesma cor, ou seja, vermelha para todas as versões da família Coca-Cola. As novas latas e rótulos, terão no centro o famoso disco vermelho da marca, acompanhada das cores relativas. No Brasil, ainda não temos a versão Coca-Cola Light.

Confira o vídeo criado pela agência David em parceria com a agência Mutato, para divulgação da nova Campanha da Coca-Cola:

 

A transformação foi idealizada pela designer brasileira e carioca, Cristiana Grether. Designer gráfica pela PUC-RJ, mestrado em Nova York e vasta experiência em escritórios de design, foram atributos suficientes para transformá-la em Diretora Global de capacitação em design da Coca-Cola. Em 2015, foi promovida para a sede internacional da Coca-Cola, em Atlanta, com a finalidade de coordenar todos os projetos de reformulação de embalagens e comunicação visual, produzido pelas agências e a equipe interna. Além de ser a responsável por disseminar na companhia o Design Thinking – conjunto de métodos e processos para solucionar problemas e proporcionar melhor aproveitamento de informações e análise de conhecimento.

(Foto: Mirian Fichtner/Divulgação)

Para Cristiana, o propósito da mudança e o próximo passo é “aumentar cada vez a vermelhidão da marca (…) agora não existe mais submarca ou marcas primas da Coca-Cola.” O que é muito válida, pois aumenta a visibilidade das latinhas, sem contar que apropria-se mais da coloração tão característica da empresa. Em uma das matérias produzidas pelo próprio DC, por Flávio Santana,  sobre “Por que as cores importam?”, frisamos o desempenho fundamental das cores na divulgação de uma marca. Cerca de 80% do reconhecimento da marca é aumentado por conta das cores.

“A cor é […] um meio para se exercer influência direta sobre a alma. A cor é a tecla. O olho é o martelo. A alma é o piano de inúmeras cordas. Quanto ao artista, é a mão que, com a ajuda desta ou daquela tecla, obtém da alma a vibração certa.” (Kandinsky)

Em contraposição ao processo criativo com enfoque nas cores, uma pesquisa realizada pela Sanford C. Bernstein, com 65 investidores de vários países, foi questionado a opinião do público a respeito da unificação do design da marca. Mais de 20% dos entrevistados alegarem que a mudança pode confundir os consumidores. A pesquisa também solicitou que os investidores classificassem a embalagem com notas de 1 a 5, (sendo 5 a nota máxima). A média obtida entre as notas foi 3.

Outro aspecto, apontado por um dos investidores, é que a cor vermelha pode causar má impressão com relação às versões diet e light do refrigerante, fugindo da tradicional cor cinza e preta. No banco de palavras do Instituto, a palavra que mais se destacou entre os comentários dos entrevistados foi “confusão”. Há outra parte que comparou a nova embalagem da Coca-Cola com a bandeira do Japão, em decorrência do círculo vermelho.

Pelo sim ou pelo não, Marcos de Quinto, Chief Marketing Officer da Coca-Cola, acredita que “a nova estratégia de ‘marca única’ compartilhará o valor da Coca-Cola com todos os produtos da marca, reforçando nosso compromisso de oferecer opções aos consumidores com mais clareza.”

O processo criativo das embalagens durou 18 meses, com um equipe interna multidisciplinar de 10 pessoas, em parceria com 6 escritórios de design pelo mundo, como Moniker, de San Francisco; BVD e SDL, de Estocolmo; Hey Estúdio, de Barcelona; Tátil, do Rio de Janeiro;   e United Design, em São Francisco.

Cristiana Grether, compartilhou que até chegar ao produto final foi necessário esquetes, desenhos e protótipos de tentativas e erros. “A gente nunca faz nada só no computador, só com desenhos. A gente gosta de ouvir os consumidores, sentar no banco da praça e ficar observando o comportamento das pessoas. A premissa principal era que todas as embalagens ficassem mais vermelhas e um dos insights foi que seria interessante que o vermelho não ficasse de cima para baixo e sim de baixo para cima, por conta de como ele aparece na gôndola e como é mais fácil para os consumidores acharem a sua versão. Mas não começamos com o disco vermelho. Tentamos primeiro vermelho no pescoço, na diagonal, até se tocar que o círculo, o ‘red disc’ da Coca-Cola, funcionaria super bem para construir esse sistema de embalagens.”

O mote dessa campanha, repleta de novidades é “Taste the feeling“, traduzido no Brasil como “Sinta o Sabor“. Após 7 anos, o slogan reúne, pela primeira vez, a família completa de produtos Coca-Cola, com o intuito de reforçar ainda mais o novo conceito de ‘marca única’. Outra mudança significativa é o sabor da Coca-Cola Zero, passando a chamar-se Coca-Cola Zero Açúcar. A empresa informou que não houve alteração ou adição de ingredientes, “apenas com um novo equilíbrio de aromas, chegou-se a um sabor ainda mais atraente para pessoas que desejam opções sem calorias.”

O Presidente da Coca-Cola Brasil, Henrique Braun, disse que a empresa prevê aumento de 50% na presença de opções com menos açúcar nas prateleiras. “Hoje, as versões zero açúcar e Stevia e 50% menos açúcares não tem uma distribuição tão grande no mercado quanto a que a gente verá dentro de nossa estratégia. Com o aumento da distribuição das três versões da marca Coca-Cola em 50%, vamos ter nos pontos de venda todas as opções.”

O primeiro país a lançar as novas embalagens, foi o México. No Brasil, a proposta é que até fevereiro as novas embalagens estejam presentes nas prateleiras. A Coca-Cola, está presente em 207 países, Cristiana acredita que essa fase de transformação de todas as embalagens, dure até 2 anos. “Vamos observar inclusive oportunidades de melhorias, dentro desse período de até 2 anos para padronização mundial. Nada é perfeito nunca, está sempre em constante mudança.

Em resumo, observamos a grande necessidade do design dentro de uma empresa. Toda a mudança e melhoria requer profissionais capacitados e com visão de crescimento. Seja um traço ou um ângulo ou mesmo uma nova proposta advinda do profissional da arte, pode gerar uma completa e robusta melhora na divulgação de uma marca. E você, o que achou da mudança da Coca-Cola? E, a presença do Design no processo de desenvolvimento, é importante?

Fontes: 

 

Clique aqui para comentar ( )