Fotolia

Pixelart, A Beleza Quadriculada

Glauber Kotaki

Fala criativos!

Hoje gostaria de falar de um assunto que consegue ser nostálgico e atual ao mesmo tempo, vamos falar sobre o Pixel Art, sua origem, aplicações e principais artistas.

Mas antes de elaborar mais sobre o que de fato é Pixel Art, vamos explicar melhor o que é um Pixel. O Picture Element (Elemento de figura) ou, como ele é popularmente conhecido, o Pixel, é o menor elemento representativo de uma imagem rasterizada (bitmap). Para simplificar, imagine que toda a imagem que você vê em uma tela é formado por milhares de quadradinhos, quando você amplia uma imagem isso fica evidente.

Em telas e hardwares mais antigos isso fica mais evidente, visto que hoje trabalhamos normalmente em resoluções de Full HD (1920 x 1080 pixels de tamanho) e muitas vezes maiores. Mas caso você tenha aquele computador antigo com Windows 95 ou aquela TV de tubo encostada em casa, faça o experimento de ligá-la e observar a tela bem de perto, os pixels estarão muito aparentes como as imagens abaixo.

Resultado de imagem para pixel image old monitorResultado de imagem para pixel image

Isso se deve ao fato de que esses monitores tem  uma resolução de pixels bem menor do que a que usamos hoje em dia. Agora que já temos uma compressão podemos voltar ao assunto desse post, vamos agora imaginar que estamos de volta a 1985 e temos o seguinte briefing:

Desenvolver um jogo de plataforma em que temos um personagem principal que é um encanador italiano que usa macacão e boina, também temos a limitação de 3 cores e não muito mais do que 30 x 30 pixels de espaço:

Resultado de imagem para super mario bros sprite

Era com esse tipo de limitação que os videogames e interfaces de computador tinha que lidar antigamente, visto que a resolução era pequena e recursos como o 3D ainda estavam engatinhando. È claro, com os anos a tecnologia foi se aprimorando e a Pixel Art também, eis um exemplo:

Resultado de imagem para super mario bros sprite

Embora o uso do Pixel Art em jogos e em computação foi o mais visado por muito tempo, após diversos anos de avanços tecnológicos e mercadológicos, hoje o cenário para quem quer trabalhar com Pixel Art é bem diferente.

Aplicações na publicidade tem sido proeminentes desde a década de 2000, exemplo disso é o coletivo de artistas E-boy que cria artes com Pixel para diversos clientes como a Microsoft.

Um dos maiores nomes atuais tanto na área de animação como também de jogos é Paul Robertson. O nível de detalhe, tanto da arte como das animações que ele produz é simplesmente absurdo.

Ele inclusive dirigiu e produziu essas duas aberturas, uma para a série Rick and Morty:

E essa magnífica para os Simpsons:

Com a ascensão dá cultura do GIF através de plataformas como o Tumblr, hoje vemos uma nova onda de artistas de Pixelart. São artistas como Waneella que tentam expandir e estilizar mais essa arte.

Agora falando de cenário nacional, um grande expoente dessa arte no Brasil é o Glauber Kotaki, com uma ampla experiência na área de jogos em títulos como Rogue Legacy e Duelyst.

Criar Pixelart pode parecer simples, mas exige tanta dedicação como qualquer  outro tipo de arte. Horas de dedicação e estudos de observação são necessários para se atingir o nível que vemos nos artistas acima.

Algo que pode facilitar muito no seu estudo é ter acesso a imagens diversas e de boa qualidade, um bom lugar para encontrar estas para uso em sua arte, é o Fotolia da Adobe, um banco de imagens líder mundial, que dá acesso instantâneo a mais de 62 Milhões de imagens, vetores, ilustrações e videoclipes, ou seja, um excelente material não só para estudar mas para trabalhos diversos!

Clique aqui para comentar ( )