Freela e Startup

Workaholic: o romantismo do excesso de trabalho

Fotolia

Não é de hoje que publicitários, designers, e todos que habitam na área criativa, reclamam da extensa carga horária que são submetidos por suas agências, seja por obrigação – ou fica ou perde ou trabalho – ou por ser pressionado a entregar aquele job que foi solicitado amanhã, mas é pra ontem. Essa é realidade do clube dos criativos, não só aqui no Brasil. Infelizmente, nós mesmos não nos damos conta de quão prejudicial isso tudo é para nossa saúde e vida pessoal.

Lamentavelmente toda essa realidade cominou em mais um fim trágico. Mark David Dehesa, brand strategist da Oglivy de Filipinas, morreu no domingo retrasado (19), depois de se submeter a horas extras, mesmo sofrendo de pneumonia. Esse acontecimento trouxe a tona mais uma vez o debate sobre o excesso de trabalho em nossa área.

Elly Puyat, presidente da Ogilvy Filipinas, disse em um comunicado:

É com grande tristeza que confirmamos a repentina morte de nosso colega Mark Dehesa por causa de complicações de uma pneumonia, no domingo, 19 de fevereiro de 2017. Mark era um membro muito amado e importante de nossa família nas Filipinas, e nossos pensamentos e orações estão com ele, sua família e amigos neste momento muito difícil.

E esse tipo de acontecimento não é tão difícil de se acontecer quanto achamos. Há um tempo atrás houve outro caso na Oglivy, mas na agência de Pequim. O jovem Li Yuan, com apenas 24 anos, teve um ataque cardíaco na agência, após passar mais de um mês cumprindo cerca de 14 horas diárias de serviço.

Segundo a imprensa chinesa, Li tinha o perfil workaholic e saia sempre após as 23h do escritório. Ele teria sentido fortes dores no peito por volta das 17h desta terça-feira 14, mas não houve tempo de ser socorrido: após gritar, caiu no chão da empresa e logo foi socorrido pelos companheiros – que chamaram ajuda médica. No entanto, o jovem chegou morto ao hospital. [1]

É muito comum ouvirmos que publicitário que nunca virou a noite trabalhando em um job ainda não conheceu o verdadeiro mundo da publicidade. Inúmeros jovens ao adentrarem no mercado de trabalho têm a tendência de romantizar a excessiva carga horária de trabalho, e até mesmo se gabar das inúmeras canecas de café tomadas para ficar acordado. Mas inevitavelmente, nosso corpo envelhece e logo aparecem os sinais de todas essas horas dedicadas ao trabalho.

Creio que devemos chegar a um meio termo. É inevitável que haverá momentos que iremos ter quer sacrificar o tempo que poderíamos passar com nossos familiares e descansando, mas isso não pode ser tornar algo rotineiro. Não podemos viver em função do trabalho, nenhum Leão de Cannes vale o prestígio de estar com sua família e com saúde.  Nem sempre hardwork significa muitas horas de trabalho, mas sim saber focar na tarefa e administra seu tempo (para isso indico o artigo do meu amigo Diógenes).

Portanto, independente de quão prestigioso o projeto seja, sempre pense primeiro em sua saúde e vida pessoal. Deixarei aqui algumas doenças listadas pelo Dimarzio, presidente da SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade), que podem vir a serem causadas devido ao excesso de trabalho. [2]

Transtornos mentais:

Depressão, estresse e síndrome de burnout (distúrbio psíquico que pode levar à depressão devido a um estado de esgotamento mental e físico) são frequentes no mundo corporativo e fazem parte das principais causas de afastamento do trabalho.

  • Ambientes competitivos, condições insalubres, trabalhos repetitivos e pouca autonomia para o trabalho são fatores de início para esses problemas.

Dores em geral:

Tendinite, dor lombar e dor nos músculos são comuns para pessoas que trabalham não só em escritórios, mas em serviços braçais também.

Quem trabalha com limpeza e cozinha faz movimentos repetitivos, fica muito tempo em pé e se movimenta demais. Já aqueles que trabalham em escritório ficam muito tempo sentados e em frente ao computador.

  • Estas situações favorecem o surgimento de dores, lesões nos músculos e tendinite.

Doenças de pele:

Pessoas que ficam expostas a produtos químicos e de limpeza têm mais chances de ter problemas de pele. Quem trabalha ao ar livre e fica exposto ao sol forte pode ter queimaduras de pele e ao longo do tempo aumenta o risco de cânceres de pele.

Problemas respiratórios:

  • Rinite alérgica é uma doença muito comum. Funcionários de empresas que tenham ambientes com pó ou fumaça podem ter o número de crises aumentado.

Entenda que sua vida está além do trabalho.

[1]  http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/2013/05/16/publicitario-morre-por-excesso-de-trabalho.html

[2] http://noticias.r7.com/saude/conheca-as-4-doencas-que-podem-ser-causadas-por-excesso-de-trabalho-06052014

Clique aqui para comentar ( )