Rivais – Novo filme de Luca Guadagnino, abusa da arte erótica!

“Rivais” ou “Challengers” é um filme provocante, sexy e eletrizante. E mostra como uma partida de tênis pode ir além das quadras para a vida!

ATO 1 – O que é Rivais?

Este romance esportivo, e extremamente picante e fora dos padrões, parte da seguinte provocação – “Um campeão de tênis do Grand Slam se vê do outro lado da rede do outrora promissor e agora esgotado Patrick, seu ex-melhor amigo e ex-namorado de sua esposa.

O longa-metragem é uma experiência única e deliciosa que mexe com você de diferentes formas, cabe a você saber qual delas foi ao assistir. Nesse romance esportivo que começa tímido, mas vai escalonando, crescendo conforme o ritmo de uma partida de tênis.

ATO 2 – Resenha e comentários gerais

Na trama, acompanhamos a história e relação de 3 tenistas, Tashi (Zendaya), Art Donaldson (Mike Faist) e Patrick (Josh O’Connor). Ambos buscam seguir uma carreira profissional, contudo, um trágico acidente e conflitos do passado vão deixar as coisas mais quentes. O roteiro não segue uma ordem cronológica dos fatos, começamos vendo como Tashi (Zendaya) e Art Donaldson (Mike Faist), estão após adultos e como seu relacionamento é baseado apenas em ganhar ou ganhar, pois é isso que dá sentido à vida de Tashi, entretanto Art, quer outro estilo de vida, mais tranquilo e fora das quadras. Mas Tashi não quer deixar isso acontecer e busca reacender a chama de Art pelo tênis, escreve ele em uma partida regional. Contudo, Patrick (Josh O’Connor), um velho amigo e interesse romântico de ambos, no passado, aparece e vai deixar a relação ainda mais conturbada, imprevisível e com muito tesão.

Assistir “Rivais” foi uma experiência incrível, como a trama é conduzida e estruturada para seguir as regras e modelo de uma partida de tênis, a dinamicidade e imprevisibilidade do que vai acontecer com esses três, que possuem uma relação tão íntima, profunda e que conectam eles de formas diferentes. A química do triângulo amoroso é melhor que em Crepúsculo, que eu não sabia se, no final, eles iriam ficar os três juntos, os dois protagonistas sozinhos, uma tragédia ou Tashi decidindo ficar um dos dois. E o final é explosivo! É um clímax em vários sentidos, tanto que todos que estavam na sessão gritaram e expressaram o que estavam sentindo na hora, e poucos filmes conseguem fazer isso!

Rivais Divulgação (2024)

ATO 3 – Direção

A magnífica direção desse triângulo amoroso que sai das quadras para a vida foi feita pelo delicado e profundo diretor, Luca Guadagnino. Que tem um extenso currículo de ótimos filmes como Call Me by Your Name (2017), até os ossos (2022), Suspiria (2018), A bigger splash (2015) e muitos outros projetos excelentes.

Em “Rivai”, Guadagnino continua fazendo um trabalho belíssimo e imersivo, com um toque de delicadeza, além do esquema de capítulos que ele costuma fazer com suas obras, que nesse projeto é feito como uma partida de tênis, como foi dito anteriormente. Outro ponto são os ângulos e planos bem próximos e íntimos nas cenas, trazendo tensão, erotismo sem ser pornográfico, mas sim artístico. Como o mesmo consegue captar as expressões dos atores, a gota de suor pingando, o frenesi, a emoção de forma primorosa, que faz você se sentir dentro da cena.

Rivais Divulgação (2024)

ATO 4 – Atuações

Nas atuações, o destaque são os protagonistas, o triângulo amoroso. Os três atores brilham à sua maneira, no seu tempo e entregam tudo. Zendaya mostra toda sua versatilidade como atriz e explora sua sensualidade e manipulação através da sua personagem Tashi, toda fúria, determinação e paixão de uma esportista que não diferencia a vida pessoal e a vida no jogo, ela brilha e se joga. Mike Faist, o Art, consegue passar um cavalheirismo, amor, dedicação e doçura que só um homem apaixonado consegue passar. Pois ele está de quatro pela Tashi. Mas também expõe a raiva que o mesmo guarda dentro de si e a amizade genuína com Patrick. Josh O’Connor, aquele típico amigo canastrão, vida louca que todo tímido tem, que coloca você nas mais diversas loucuras. Ele é babaca? Sim. Mas aquele babaca que vai te conquistar de alguma maneira. Esses ótimos atores possuem uma química em cena, seja nas relações pessoais ou íntimas, e conseguem passar para o público a veracidade dessa relação romântica e de amizade.   

Rivais Divulgação (2024)

ATO FINAL – Conclusão

Por fim, “Rivais” é um ótimo filme de romance e esporte, e que não é nenhum pouco monótono. Contudo, não é para todo mundo, caso você seja conservador demais, nunca tenha visto cenas sexuais diferentes ou não esteja bem com a sua sexualidade, pode ser uma obra que vai lhe incomodar ou provocar desejos e curiosidades que não tenha experimentado antes. Mas também irá causar uma adrenalina intensa e boa de sentir enquanto assiste. Sem sombra de dúvidas, posso dizer que o filme vale o ingresso e o prestígio. E torço para que o filme seja indicado à premiação, como o Oscar.

Rivais já está em cartaz!

Rivais Divulgação (2024)

Related posts

Assassino por acaso – uma comédia com premissa simples, mas muito bem executada!

Os estranhos capítulo 1 – mais um filme qualquer de invasão a domicílio para lista!

Grande Sertão: A emocionante adaptação da obra de Guimarães Rosa