Design

Como explicar o que é designer para a “Tia Cotinha” que não sabe nada do universo dos designers e do design

Olá, pessoas!

Explicar a profissão de design é uma tarefa super complicada e delicada. Por vezes, nos colocamos em situações como essas. Quando lidamos com alguém da área de comunicação, arquitetura, engenharia… se torna mais prático falar abordando expressões e dialetos que são comuns pra essas áreas, mas quando conversamos com pessoas que são totalmente alienadas pra esse universo, nos faltam palavras pra definir o que fazemos todos os dias.

Pensando nisso, resolvi escrever esse artigo que pode facilitar a forma de explicar sua profissão para a “Tia Cotinha”, de 62 anos que pensa que você só sabe ‘mexer no computador’. Tenho certeza que todo mundo já passou por uma situação dessa e acho que esse conteúdo pode te ajudar a ‘superar’ isso. Bora lá!

Entenda o design

Eu sei que parece retórico, mas na maioria das vezes, não sabemos nem expressar o que fazemos. Parece besteira, mas eu já passei por isso e vejo muitos colegas que ainda passam. Já escrevi sobre isso aqui no blog, mas é sempre bom relembrar o significado da palavra design. Pois bem, o termo design não tem um significado correto,  isso porque sua explicação pode variar entre lugares diferentes. No grego, a tradução mais aproximada é projetar ou configurar.

Aqui no Brasil também não existe uma tradução certa, justamente por isso a maioria das associações vem dos EUA, onde existem 3 possíveis variações para o termo: design como desenho; design como projetar e design como designo (finalidade). Justamente por isso que tantas pessoas associam ao desenho o termo. E isso pode parecer besteira, mas a galera esquece que essas definições, quando não exercitadas, são esquecidas. Por isso, faça um exercício diário com esses termos que nossa profissão tem. Quanto mais se entende, mais fácil explanar sobre isso. Certo, jovem padawan? Pratique o entendimento e passe adiante.

Imagem: Fotolia da Adobe

Agora que já passamos por essa fase, vamos as dicas.

#01 – Use termos que sejam familiares pra as pessoas

Como já falei, uma coisa é falar pra alguém de comunicação o que você faz, e outra é explicar pra quem é totalmente deslocado do meio. E se alguém chegar e perguntar o que é design e em que você trabalha, não use “eu crio artefatos digitais e projeto logotipos”. As pessoas, em sua maioria, não vão entender o que isso quer dizer, saca? Elas provavelmente vão concordar, mas não vão entender.

Quando alguém lhe perguntar algo sobre, responda num linguajar comum e simples. Não tente encher de palavras que vão encher o ego, mas que não vão explicar. Eu entendo que falar de design é contagiante pra nós, mas nem todo mundo vê assim.

Então, quando alguém perguntar, diga que desenha logomarcas. A gente sabe que não é correto, mas a pessoa vai entender – ou pelo menos ter uma noção maior – do que fazemos. As pessoas não tem que se ater ao termo certo, isso é pra quem é da área. Como desenho já está no senso comum que é o que fazemos, explicar por esse meio pode se tornar mais viável. Aí, claro, você pode complementar sua resposta exemplificando, como veremos agora.

Imagem: Fotolia da Adobe

#02 – Use exemplos práticos

Um primo mais novo que eu perguntou o que fazia uma vez. Invés de perder tempo explicando, abri um site que tinha trabalhado no tempo e comecei a mostrar a ele. Apresentei a logo, expliquei que as empresas precisavam disso pra construir sua identidade, se diferenciar… mostrei a disposição do layout, explicando porque as coisas eram daquele jeito. Mostrei os ícones e no final, disse que eu projetava sites, materiais impressos, vídeos (aqueles que passam na TV, o comercial tal…, bom, eu faço aquelas edições…) e outros exemplos. Ele entendeu tão bem que hoje tá até um pouco inclinado a fazer design.

Será que o mesmo teria acontecido se eu começasse a usar palavras e termos não tão práticos pra ele? Evangelizar o design é uma função que temos que ter, pelo menos em minha opinião. Mostrar o poder do design ao mundo é um dever dos profissionais. E se isso surgir por meio de dúvidas, melhor ainda. Quando alguém perguntar, pegue exemplos que você já fez, apresente os conceitos de design ali e explique de modo que as pessoas possam entender.

Tenho certeza que com exemplos práticos, a compreensão é muito mais ampla e eficaz.

#03 – Use o “desenho” como forma prática de explicação

Como já falado antes, desenho é o termo mais entendível para quem não sabe o que é design. Por isso, use-o como principio. Se alguém perguntar com o que você trabalha, afirme que você é um designer que desenha. Talvez a sua área nem esteja tão relacionada ao desenho, mas se você projeta as informações de um post, por exemplo, escolhendo os locais, formas e cores que as informações precisam estar, você está imprimindo uma representação, e representação é desenho, sacou?

O que fazemos é desenhar. Mas é importante salientar que é preciso expandir mais essa explicação do desenho. Fale que isso é apenas a ponta do iceberg, e novamente, apresente os conceitos por trás desse “desenho” independente da área que for. Faça do meio comum, uma base forte pra teorizar o design.

__

Apesar de um pouco longo, acho que esse raciocínio faz bastante sentido. Todos nós já passamos por isso e ter em mente a forma de abordar melhora a ideia que o design tem na cabeça das pessoas.

Concorda com o pensamento? Usa alguma outra técnica que ajuda a explicar o design pra pessoas mais – digamos – leigas? Fala aí nos comentários e bora trocar ideia sobre o tema. :)

Abraços e até o próximo artigo.

__

Imagem de Capa:Unsplash.

Clique aqui para comentar ( )