Conheça os vencedores do Prêmio Salão Design 2018 – Design CultureConheça os vencedores do Prêmio Salão Design 2018 – Design Culture
Design

Conheça os vencedores do Prêmio Salão Design 2018

Criar algo. Colocá-lo a prova. Receber um prêmio! Essa é certamente uma satisfação sem tamanho para qualquer pessoa que cria algo e vê sua criação sendo contemplada – geralmente por pessoas que são nossas inspirações e referências! Tive a oportunidade de viver essa experiência! Foi absolutamente incrível!

Admiro muito as pessoas que se expõem junto aos seus trabalhos. Porque isso quase que invariavelmente mostra que aquela criação foi pensada em alguém ou em um determinado seguimento e é bem possível que resolva um problema ou “no mínimo” encante!

Veja aqui os vencedores do Prêmio Salão Design 2018! essa lista está em ordem alfabética: a colocação dos premiados em cada categoria e quem são os superprêmios da edição serão relevados somente em março, durante a cerimônia de premiação na Movelsul Brasil 2018 – feira de móveis em Bento Gonçalves.

Jurados

Ao todo, são 12 prêmios em dinheiro e três menções honrosas, além do Prêmio Madeiras Alternativas e o troféu Professor Orientador

Orgulhosamente, o Prêmio Salão Design anuncia a lista de vencedores de sua 22ª edição, que marca os 30 anos de realização do projeto pelo Sindmóveis Bento Gonçalves. São 12 premiações em dinheiro para Estudantes, Profissionais e Indústrias/Varejo, além de três menções honrosas, um Prêmio Madeiras Alternativas e um troféu Professor Orientador. Essa edição, a primeira em que as tradicionais categorias foram substituídas pela colocação em primeiro, segundo e terceiro lugares, mostrou tipologias diferentes de produtos, com novas possibilidades de uso e peças com diferentes aplicações dentro do ambiente. Os premiados são projetos do Brasil, Argentina e Uruguai.

O Prêmio Salão Design é a mais representativa premiação de design de produto da América Latina e já teve 14.213 mil projetos inscritos em sua trajetória. O diretor do prêmio, Eduardo Nuncio, relembra que a ideia surgiu num momento crucial para a indústria moveleira nacional, em 1988 – quando o país enfrentava uma crise econômica e existia uma demanda de diferenciação para retomada do consumo de móveis. “Nesses 30 anos, criamos um ambiente de genuína troca entre os concorrentes, a organização e a comissão julgadora. Muitos dos principais nomes do design brasileiro da atualidade foram revelados a partir do prêmio, que estende seu alcance também para a América Latina”, destaca.

A comissão julgadora dessa edição foi composta pelos designers Brunno Jahara, Bruno Faucz, Letícia Grisa, Nicole Tomazi e o alemão Salvatore Figliuzzi. Para Brunno Jahara, o grupo de vencedores apresenta certa unidade de conceitos, a partir de peças que mostram uma melhora no entendimento do mercado e suas tendências. “Eu sempre insisto que os estudantes, profissionais e designers inscrevam suas peças no prêmio, pois é uma boa maneira de melhorar a qualidade da produção e reconhece o real valor de um bom projeto”, reforça.

Além dos prêmios em dinheiro e menções honrosas, o Prêmio Salão Design reconhece o trabalho dos professores de design na orientação de seus alunos com o Troféu Professor Orientador – nesse ano concedido ao professor Gabriel Deber, da Escuela Universitaria Centro de Diseño, de Montevidéu, pelo projeto Mesa Quebrada, do aluno Agustín dos Santos Farias. Outra categoria especial é o Prêmio Madeiras Alternativas, promovido em parceria com o Serviço Florestal Brasileiro, que premia a melhor peça da edição construída com madeiras consideradas não muito exploradas pela indústria madeireira. Como premiação pela Penteadeira Nena, o estúdio Em2 Design, do Rio de Janeiro, vai ganhar uma expedição ao Laboratório de Produtos Florestais, em Brasília, e áreas de manejo florestal sustentável em Rondônia.

Com patrocínio de Berneck e Interprint, o prêmio muda nesse ano sua dinâmica de premiação. Em lugar das tradicionais categorias como móveis para sala e acessórios domésticos, cada modalidade (Estudante, Profissional e Indústria/Varejo) terá primeiro, segundo e terceiro lugares, além de três superprêmios para os melhores produtos da edição, independente de sua modalidade. A colocação dos vencedores, entretanto, é uma surpresa que será relevada somente em março, durante a feira Movelsul Brasil 2018 – quando ocorre a cerimônia de premiação e mostra de produtos, de 12 a 15 março, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves. Depois, em agosto, os vencedores serão expostos durante o DW! São Paulo Design Weekend, na feira High Design – Home & Office Expo.

Premiações – em ordem alfabética

Estudantes:

Coleção Diagonal, design de Gabriel Paim Barbeiro (Universidade de Caxias do Sul/Caxias do Sul RS)

Inspirada por linhas simples, agrupadas, inclinadas e também dispostas paralelamente, utilizadas como base e corpo das luminárias.

 

Mesa Quebrada, design de Agustín dos Santos Farias (Escuela Universitaria Centro de Diseño/Montevidéu) e Prêmio Professor Orientador para Gabriel Deber

Peça auxiliar de tamanho pequeno feita com varas ferro. Simples assim. Toda a estética da peça se constrói a partir dos espaços vazios entre suas hastes.

 

Poltrona Flor, design de Artur de Menezes Fernandes (Universidade Norte do Paraná/Londrina PR)

Resultado do estudo de formas traduzidas em linhas fluidas.

 

Profissionais:

Biblioteca Latorna, design de Marcela Coppari e Agustín Barrionuevo (Cordoba/Argentina)

Sistema aberto que pode se adaptar em configurações diversas. São apenas dois elementos: colunas e prateleiras.

 

HUM, design de Federico Mujica Iturria e Carolina Arias Bianchi, Muar Diseño (Montevidéu/UY)

De aspecto leve, é feito em carvalho e revestido em fibras naturais. Disponível em três tamanhos: sofá simples, sofá de 3 lugares e chaise longue.

 

Linha Zina, design de Zanini de Zanine, Studio Zanini (Rio de Janeiro/RJ)

Linha inspirada em móveis de ferro brasileiros dos anos 1950, reunindo um mix de materiais contrastantes como o aço carbono, tecido e madeira maciça.

 

Luminária Costureira, design de André Ferri (Belo Horizonte/MG)

Luminária feita artesanalmente em marcenaria, pode ter seu tubo girado em 360º, controlando a luminosidade.

 

Poltrona Lina, design de Leo e Fernanda Mangiavacchi, Fantástico Studio di Design (Rio de Janeiro/RJ)

A estrutura que conjuga metal e madeira traz uma mistura de leveza com riqueza sensorial.

 

Varanda: design de Menini Nicola e Bernardo Senna (Montevidéu/UY)

A linha Varanda cria jardins urbanos considerando os pequenos espaços de convivência que temos ao nosso redor. A coleção é composta por jardineira, bancos e mesas.

 

Indústrias:

Mesa Falésia, Lider Interiores (Carmo do Cajuru/MG) com design de Amélia Tarozzo, Camila Fix, Flávia Pagotti Silva e Rejane Carvalho Leite – Plataforma 4

Estrutura em madeira maciça e tampo folhado. Destaque para a fenda central com aplicação de marchetaria nas extremidades.

 

Mini Nadda, Iluminar (Belo Horizonte/MG) com design de Francisco Esteban Terroba

O diferencial principal do projeto, além de suas dimensões reduzidas, é o sistema basculante de regulagem manual de inclinação vertical.

 

O2 talheres, Alma Design d’Auteur (Curitiba/PR) com design de José Manuel Carvalho Araújo

Com dupla funcão – hashi + garfo/faca –, esse conjunto é feito em aço inox 316 modelado.

 

Prêmio Madeiras Alternativas

Penteadeira Nena, design de Mariana Beting Ferrarezi e Roberto Hercowitz, Em2 Design (Rio de Janeiro/RJ)

Criada para ser uma penteadeira, Nena possui espelho retroiluminado com fitas de led e acabamento em bisoté, além das gavetas com múltiplos repartimentos para acomodar objetos. Madeira identificada: Cariniana SP e laminado

 

 

Menções Honrosas

 

Castiçal Veleiro, design de Giuliano Perretto e Max Kampa, Ventura Lab (Curitiba/PR)

Vela é de acender ou velejar? Esse finalista do Prêmio Salão Design brinca com o duplo sentido da palavra.

 

F.LY, design de Andrea Bezerra de Carvalho Macruz, Nolii (São Paulo/SP)

Ousada, a luminária F.LY é uma representação das ramificações de uma folha não simétrica. É feita em papel especial com PH neutro, o que evita o amarelamento e aumenta a durabilidade da peça.

 

Hoop Lamp, design de Daniel Simonini e Niccolo Adolini, Adolini+Simonini para Martinelli Luce (São Paulo/SP)

Essa luminária de mesa presta uma homenagem a Angelo Mangiarotti, ao reinterpretar a mesa Eros, concebida pelo mestre italiano nos anos 1970.

 

Clique aqui para comentar ( )