Design

Designer mexicano projeta objetos usando o cérebro

O designer mexicano José de la O. juntou-se à empresa de tecnologia Mirai Innovation para desenvolver uma forma de as pessoas manipularem a forma de um vaso usando seus pensamentos. A partir do seu estúdio, De la O projectou uma experiência que a partir de sinais cerebrais qualquer um pode manipular um modelo de um vaso.

“O experimento brinca com a ideia de que, em um futuro próximo, interfaces digitais sofisticadas podem capacitar pessoas que não precisam de habilidades técnicas para projectar. Não é mais necessário aprender um ofício específico, um software 3D ou até esboçar para projectar e produzir objectos do cotidiano”  explicou De la O.

A agência de design interdisciplinar De la O situa-se na Cidade do México, é especializada em inovação e, com esse projecto, pretendia explorar como uma tecnologia emergente pode permitir que os usuários moldem os objectos com os quais vivem.

O experimento foi conduzido usando um dispositivo chamado Aura, desenvolvido pela Mirai Innovation para apoiar profissionais que trabalham em sectores como saúde, educação e negócios.

O dispositivo usado é coberto com sensores que monitoram diferentes bio-sinais do cérebro, incluindo eletro-encefalogramas. Durante o experimento, dois participantes sem conhecimentos ou habilidades em design foram convidados a se sentar em uma cadeira confortável em uma sala sem nenhuma distração que pudesse influenciar seus pensamentos. Sentados diante de uma tela na qual o modelo gerado por computador de um vaso típico foi projectado, eles foram capazes de alterar gradualmente diferentes características do vaso, como altura e diâmetro, relaxando ou concentrando suas mentes.

O dispositivo capturou os bio-sinais produzidos por seus cérebros e os transmitiu a um operador em uma sala separada, que inseriu os dados em um computador.

Quando os participantes ficaram satisfeitos com o formulário que haviam criado, o arquivo manipulado foi enviado para uma impressora 3D para ser transformado em um objecto físico.

De acordo com De la O, o experimento aponta para um possível futuro alternativo no qual os consumidores assumem maior responsabilidade pela criação dos objectos com os quais desejam conviver.

“Isso questiona o futuro papel do designer, que hoje pode ser visto como um guardião do que pode ou não ser produzido e usado, já que o design segue agendas comerciais específicas e estética imposta”, afirmou o designer.

“Os designers estão se tornando obsoletos? Ou eles evoluiriam para os que projectam essas plataformas de design de leitura da mente?”

De la O estabeleceu seu estúdio em Eindhoven em 2010, após concluir o mestrado na Design Academy Eindhoven, antes de se mudar para sua cidade natal, na Cidade do México, em 2013.

O estúdio trabalha com design de produto, identidade visual, publicidade, consultoria criativa e novas estratégias, com foco na criação de novas ideias que possam beneficiar a sociedade.

A empresa Mirai Innovation desenvolve tecnologias inovadoras, incluindo realidade aumentada , robótica e técnicas de sensoriamento em várias indústrias.

Assista o video aqui.

Fonte: dezeen

Clique aqui para comentar ( )