O amor dá sentido ao Natal – Design CultureO amor dá sentido ao Natal – Design Culture
Design

O amor dá sentido ao Natal

Olá pessoal!!!

Ah o Natal!

Que momento lindo. Famílias se reencontrando, amigos se confraternizando, presentes embrulhados e muita, muita expectativa em cada comemoração. É como se tivesse uma magia no brilho das luzes, na virada do dia 24 para dia 25. As pessoas aparentam estar mais felizes e sorridentes. Qual é o seu motivo de alegria no Natal?

Por vezes, a correria do dia-a-dia, nos rouba a vivacidade e a empolgação de estar com quem amamos ou de simplesmente dar um sorriso. Esse é o outro lado da “moeda”. Pensando assim, convido vocês para imergirem em mais uma propaganda de Natal da EDEKA, uma rede de supermercados alemã, que anualmente traz em seus comerciais, campanhas reflexivas e de impacto.

(Ative a legenda ao assistir o vídeo.)

Nossa! Achei fantástica, a alusão que fizeram ao ano de 2117, um mundo onde a inteligência artificial impera, a ponto de ser notícia de jornal “Pessoas fogem da inteligência artificial“. Não faço ideia do que você, leitor (a), entendeu. Vamos as considerações.

Em primeiro lugar, temos uma crítica a tecnologia e sua atuação na humanidade. Os robôs são pura ciência e obras prima do conhecimento humano, capazes de serem programados para a execução de quase qualquer tarefa. Isso é incrível. Mas se pensarmos bem, convivemos com mini robôs todos os dias. Eles nos acordam, nos dão notícias, nos conectam com o mundo e nos escravizam em suas telas medidas em polegadas. Não importa a idade, de alguma forma somos atraídos por eles. Os Smartphones. Dividimos nossa atenção entre a tela e as pessoas, de tal modo que passamos mais tempo com nossos robôs do que com pessoas. Perdemos as relações do convívio cotidiano com nossos familiares, por exemplo. A vida virtual sobrepõe a realidade. Isso é assustador!

Outra cena, é o impacto que o cartaz do filme natalino “Maravilhoso Natal”, causa no robô. De modo que fez ele quebrar com seu ciclo de convivência e buscar a felicidade que a relação familiar expressava. Ele queria compartilhar isso, sentir isso. Sensações que a artificialidade não conseguiu promover para seu mundo. O carinho, o afeto, a alegria e acima de tudo o amor sentido na comunhão entre as pessoas. Porque essa é natureza humana! Somos compostos das relações que temos com as outras pessoas, as histórias compartilhadas, as alegrias e tristezas divididas, as vitórias conquistadas, os desafios superados e, infelizmente, até as decepções e frustrações são importantes. É assim que crescemos e amadurecemos como seres racionais. E, isso é magnífico!

 

Por fim, que momento de realização, o encontro do robô com as pessoas e a aceitação das pessoas para com o robô. A menina entregando um simbólico coração ele, demonstrando a grandeza do amor fraternal. É uma via de mão dupla. O amor proporciona isso, aceitarmos o próximo como ele é, apesar de suas imperfeições e partilhamos com ele o que temos de melhor em nós. Esse é o sentimento natalino, comunhão que nos faz sentar a mesa e rir, e lembrar o quanto temos pessoas que nos fazem felizes em nosso próprio lar. Entre os outros robôs, aquele era só mais um. Entre a família, ele ganhou valor. Refletir sobre isso, nos ajuda a perceber o quanto desperdiçamos nosso tempo com coisas passageiras e que muitas vezes, após um tempo, faz-nos sentir vazios, incompletos e insatisfeitos.

É hipocrisia, deixar para ser feliz apenas na noite do dia 24/12 com a família ou na confraternização entre amigos. É passar o ano todo na água e uma noite fora d’água. O que você tem a compartilhar? Deixe o brilho natalino te iluminar o ano todo! Valorize sua família. Valorize as pessoas que estão ao seu lado, independente de quem você é ou dos erros que comete. Pense nisso!

Feliz Natal!

 


Veja também, a Propaganda do Natal de 2016, da EDEKA.

Clique aqui para comentar ( )