Design

Rebranding do Mailchimp: Entre a Estranheza e o Memorável

O rebranding constitui uma base importante das marcas que estão em constante crescimento, se por um lado significa uma necessidade de ajustar a marca ao tempo e as circunstâncias, por outro é uma necessidade de aproximar cada vez mais a marca aos seus consumidores, permitindo que estes se apropriem dela com naturalidade, tornando-se, esta, memorável, aos novos e aos antigos consumidores, usuários ou clientes.

Há semanas, muitos usuários do Mailchimp foram surpreendidos com a aparição de algumas alteração no “macaco” e nas suas cores. Enquanto outras grandes marcas adoptam, em suas mudanças características totalmente novas, modernas, o Mailchimp manteve a marca peculiar, e, até interessante, em que cruza uma tipografia serifada e um trabalho com ar manual. Parece ao mesmo tempo interessante o atrevimento em manter uma tipografia analógica da década 1920 e as ilustrações infantis que aparecem polidos e com um ar rústico e memorável. Um trabalho, que apesar de estar imerso num contexto tecnológico, nos lembra o trabalho feito pelas mãos, criando, se calhar, uma maior ligação com o usuário das plataformas desta empresa de marketing.

O trabalho que o Mailchamp fez contou com a ajuda da agência de branding Collins. Pode-se compreender uma certa estranheza na actual marca, mas agradável, menos mecânica e muito mais humana.

“Esse senso de humor é uma parte autêntica de sua marca”, afirmou Ben Crick, director de criação da Collins que trabalhou no branding. “Eles têm mais direito a isso do que a maioria das empresas de tecnologia que dependem do humor.”

Esse humor piscante, juntamente com ilustrações lúdicas que pretendem desmistificar o que uma empresa de tecnologia faz, é comum entre as startups actualmente. “É a maneira de ver se você é uma empresa de tecnologia”, diz Angie Shih, estrategista da Collins. “A trajetória de todas as empresas é que você é peculiar, amigável, acessível e, quando se torna uma grande empresa com muitos funcionários, você se torna austero e estéril”.

A empresa envia cerca de um bilhão de emails por dia e, a partir de 2017, adicionava 14.000 novos clientes por dia. “À medida que evoluímos como empresa e oferecemos esses serviços e recursos diferentes, precisamos evoluir nossa marca e nossa linguagem visual também”, afirmou Gene Lee, vice-presidente de design da Mailchimp, à Fast Company. Os recursos agora incluem software de automação de marketing mais sofisticado do que o software de criação de e-mail pelo qual a empresa é conhecida. “Parte do desafio de criar uma linguagem visual e um sistema é, nos dias de hoje, é difícil encontrar algo que ninguém tenha visto antes”, acrescentou.

Algo interessante na nova marca é a inexistência de um design sofisticado para indicar a maturidade da empresa. Em vez disso, Collins mantinha quase tudo sobre o chimpanzé Freddie, simplificando um pouco a imagem para que ela funcionasse melhor em diferentes tamanhos e situações. (“Ele cortou o cabelo”, diz Crick.) Os designers criaram um tipo de letra para usar no wordmark e actualizaram o tipo de letra pré-digital da década de 1920, Cooper Black, para usar em outro lugar, com a ideia de que faria a marca parecer mais humanista.

Para criar as ilustrações, a “Mailchimp trabalhou com ilustradores internos e artistas de todo o mundo para criar desenhos com um senso de perspectiva um pouco fora do normal – um que os faz parecer que foram desenhados por um famoso artista contemporâneo ou um kindergartner. Há uma pessoa com cinco pernas representando os recursos de automação da Mailchimp, uma mão disforme equilibrando uma pilha de objetos ilustrando a rapidez com que os usuários podem criar com Mailchimp e um gigantesco cogumelo personificado agindo como um guarda-chuva para uma série de fungos menores para representar o crescimento dos negócios. No novo site da empresa, uma figura humana com um braço gigantesco, que está adicionando a peça final ao quebra-cabeça quase concluído, simboliza as ferramentas de otimização da Mailchimp. Uma ilustração que acompanha uma mensagem para dar as boas-vindas aos novos assinantes mostra um grupo de pássaros excêntricos sentado com uma pessoa no dedo mindinho de uma mão gigante.”

“Em última análise, o objetivo é tornar o Mailchimp um farol para seus próprios clientes, que estão cultivando marcas tentando descobrir como falar com seu pessoal”, diz Shih. “[Eles] esperam enviar uma mensagem para essas empresas que o sucesso não significa apagar suas peculiaridades e idiossincrasias. É sobre amplificá-los. É assim que você se destaca e se conecta com todos. ”

Foi certamente uma decisão arriscada, a de apostar em formas pouco comuns nos dias actuais, desafiando as tendências tecnológicas e a forma como isso implica o design na comunicação. Usar ilustrações infantis, tipografia serifada “fora” do nosso tempo, um trabalho de design quase manual, normam a nova marca impactante e estranha.

 

Fontes:

https://www.fastcompany.com

https://www.underconsideration.com

https://mailchimp.com/design/

Clique aqui para comentar ( )