Comportamento

“Canvas só serve para empresas!”. Você está totalmente enganado.

O Modelo Canvas é uma forma de visualizar com clareza e desenvolver estratégias para qualquer negócio, inclusive você mesmo!

Quando buscamos desenvolver empresas, trazendo clareza e projeção para crescer, é importante utilizar ferramentas e adotar práticas que facilitem essa visão e projeto.

Comumente, utilizo o Business Model Canvas nas consultorias, pela sua fácil visualização e compreensão. Já que lido com empresários de grande e pequeno porte.

Há algum tempo tenho focado minha atenção na “conversão” de ferramentas e metodologias utilizadas na gestão de projetos para o uso de pessoas e seus processos de melhoria do reconhecimento de si e a contínua melhoria para obtenção de resultados.

Aqui, nos encontramos no tema desse artigo: o Business Model Canvas (Quadro de modelo de negócios) transformado em Modelo de Negócio pessoal.

Facilmente, podemos aplicar o Canvas a profissionais das mais diversas áreas. Traduzindo o seu momento profissional e, dessa forma, traçar metas e ações para melhoria.

Enfim, vamos entender melhor do que se trata esse modelo.

Para resumir da forma mais clara, um modelo de negócio é a forma como você oferece, entrega e captura valor. Ou seja, o benefício entregue em forma de produto ou serviço para alguém e aquilo que você recebe de volta, seja dinheiro ou satisfação. Para visualizar isso, vamos utilizar o Business Model Canvas.

Na prática, ele é um mapa visual composto por 9 blocos contendo todos os aspectos que o empreendedor ou gestor precisa considerar para trazer a sua empresa para a realidade do mercado e alcançar metas com sucesso. Todos esses aspectos se encaixam nos pilares: infraestrutura, oferta, cliente e finanças.

Quando trazemos para o pessoal, o nome muda para Business Model You, em inglês, ou, Canvas do Modelo de Negócio Pessoal ou, simplesmente, Canvas Pessoal, essa mesma ideia prevalece.

Aqui, em vez de se basear no contexto geral da empresa, o profissional ganha entendimento próprio, da sua carreira e do que nela precisa ser mudado.

Lembre-se que, não basta ter conhecimento teórico e prático do que você faz, mas também entender potências, fraquezas e se dedicar ao máximo em correlacionar esses fatores traduzindo em valor.

ANTES DE IR PARA PRÁTICA VOCÊ PODE BAIXAR GRATUITAMENTE ESSE MODELO NO TAMANHO A2 PARA PLANEJAR COM QUALIDADE SEUS PRÓXIMOS PASSOS. Clique aqui

Simbora para prática?

Vamos começar pelo mais importante: o foco do Canvas que iremos utilizar, está na empresa. No nosso caso, estará em você!

Então vamos preencher os blocos que formam o Canvas de maneira a focar em seus recursos e habilidades, pensando em você como negócio! Dessa forma, temos:

Essa é a estrutura do Canvas. É importante seguir essa ordem de preenchimento que segue uma lógica que vamos explorar abaixo.

1. Recursos:

Aqui, vamos começar a falar de você. Quem é você e o que você tem.

  1. Quais seus interesses?
  2. Quais suas habilidadescompetências e talentos?
  3. Qual a sua personalidade?

Nesse primeiro momento, é importante analisar, além daquilo que você tem, reflita sobre o que tem a oferecer para um negócio, como: experiência na área, rede de contatos, fluência em outros idiomas, ou seja, todos os recursos tangíveis e intangíveis que a sua carreira já agrega.

2. Atividades:

Agora, vamos reunir tudo o que você faz no seu dia a dia que gera valor para um negócio de modo geral. Aqui também é importante verificar quais são as atividades que você mais gosta de executar.

Essa visão crítica sobre sua atuação é importante para compreender suas afinidades.

3. Clientes:

Nesse quadro, não se trata apenas definir um público-alvo, mas entender quem são as pessoas que dependem das tarefas executadas por você em sua organização (“a quem você se reporta?” e “quem paga pelos seus serviços?”).

4. Propostas de Valor:

Através do que mensuramos até aqui, qual benefício você fornece aos clientes listados anteriormente? Que trabalho eles te contratam para executar? Onde você se destaca?

Propostas de valor são competências e habilidades que podem agregar valor a um negócio diretamente, como uma especialização na área. Ou então, que podem não ter uma utilidade prática à primeira vista, mas se mostram fundamentais para um bom desenvolvimento profissional.

São elas: habilidade de comunicação com a equipe, capacidade de trabalhar bem em equipe, postura de liderança, domínio da tecnologia e de outros idiomas, e assim por diante.

5. Canais:

Como os clientes potenciais descobrem como você pode ajudá-los? Como eles decidirão a compra pelos seus serviços? Como eles comprarão? Como você entregará o que os clientes compraram? Como vai saber que esses clientes estão satisfeitos e resolver possíveis problemas?

Estamos falando de comunicação. Então, é preciso entender e planejar quais meios vai utilizar para se relacionar com seus clientes.

6. Relacionamento:

Falamos dos canais, mas agora é hora de estabelecer como você se relaciona com seus clientes. De maneira mais específica é como você os atrai, fecha vendas, obtêm receitas crescentes deles ao longo do tempo e os fideliza.

Algumas perguntas podem facilitar essa descrição.

  • como você descreveria a forma como interage com os clientes?
  • você fornece serviço pessoal face a face? Ou suas relações são mais baseadas em e-mails ou outra comunicação escrita?
  • você pensa neles ao criar estratégias ou apenas no que será lucrativo para si mesmo?
  • seus relacionamentos são caracterizados por transações únicas ou serviços constantes?
  • você se concentra no crescimento de sua base de Clientes (aquisição), ou na satisfação de clientes existentes (retenção)?

Não se limite a essas perguntas. Amplie sua visão, dedique tempo para refletir sobre como sua relação é construída.

7. Fontes de Receitas e Benefícios:

Vamos para um dos pontos mais importantes em nosso Canvas?

Assim como uma empresa documenta (ou deveria fazer) tudo que se refere ao seu financeiro, desde as saídas às entradas. Um profissional precisa fazer o mesmo.

Liste o salário, as taxas de contratantes, as ações, os royalties, e outros recursos monetários e financeiros. Também anote quais os benefícios tangíveis, como planos de saúde, ticket alimentação, carro, ou ainda intangíveis, como qualidade de vida, tempo para dedicar-se à família e o que for importante para você.

8. Parcerias Principais:

Na sua carreira, quem são aquelas pessoas que mais te ajudam? Quem são aqueles que lhe apoiam como profissional e ajudam a realizar seu trabalho com sucesso? Ter em mente quem são as pessoas que contribuem para o seu crescimento é uma maneira de ganhar motivação e pedir ajuda quando necessário.

9. Estrutura de Custos:

Finalizamos com uma parte delicada. juto às fontes de receita, a estrutura de custo é extremamente importante.

Distribua gastos como: taxas de treinamento ou assinatura, despesas de alimentação, deslocamento, energia, internet e afins em sua estrutura ou do cliente (se for o caso). É importante também mensure gastos que não são financeiros, mas também essenciais (tempo, expertise, energia, produtividade, motivação, horas vagas, e assim por diante).


Agora é por a mão na massa e preencher seu Canvas. Ao final, terá uma visão mais clara sobre você enquanto negócio.

Clique aqui para comentar ( )