Cinema e Séries

Deslembro: cinema nacional dá voz aos órfãos da ditadura

Da mesma produtora do icônico Central do Brasil, a nova cria do cinema nacional surge como uma ode ao esquecimento forçado e à(s) vida(s) não vivida(s) graças ao período do Regime Militar brasileiro. Livremente inspirado na vida da diretora Flávia Castro, Deslembro traz à tona os contornos e retornos de uma jovem brasileira criada na França e que não encara com bons olhos a chance de voltar ao Brasil por força da Lei de Anistia.

Joana, interpretada pela atriz franco-brasileira e estreante no ramo, Jeanne Boudier, se vê forçada a interromper a típica adolescência na França quando sua mãe e o companheiro decidem retornar ao país de origem da garota, ao lado dos meios-irmãos mais novos. Irresignada, suporta a adaptação afogada em literatura e permitindo-se firmar laços com Lúcia (Eliane Giardini), sua avó paterna. A medida que a vida no Brasil vai acontecendo, Joana passa a refletir sobre seu passado e a história de militância de seu pai, reprisada na luta de alto risco vivida pelo padrasto.

Satisfatoriamente bilíngue, o longa tece o roteiro em cima de um viés duvidoso. A estrada em linha reta, lastreada em dúvidas nunca respondidas e memórias pinceladas passa a sensação de que algo está para acontecer ou ser revelado, contudo, sem nunca, de fato, proporcionar esse momento epifânico. Joana vive a dúvida, passa pelas descobertas da adolescência e lida com traumas com o típico afastamento sentimental de alguém que foi retirada do caminho natural.

Ao mesmo tempo, por essa abordagem, o filme consegue captar o espaço vazio de quem perdeu um parente nas circunstâncias ali demonstradas. A avó apresenta o viés nostálgico, a mãe prefere lidar com silêncio, e cabe a Joana firmar-se na nova realidade com as bagagens com ela compartilhadas. A sensação de oco é fixada com maestria, ainda que possa ser indigesto.  

Premiado em festivais franceses e brasileiros, Deslembro mistura o tom poético da descoberta juvenil com o peso do passado histórico dos pais. Joana não se importa em encaixar-se, e por isso, sabe importunar e, curiosamente, se fazer lembrar.

O longa estreia no país nesta quinta-feira, 20 de junho. Confira o trailer no link abaixo:

Clique aqui para comentar ( )