Empreendedorismo Criativo: A tendência da nova economia

A economia criativa movimentou R$ 230,14 bilhões no Brasil, equivalente a 3,11% do Produto Interno Bruto, sendo destaque mundial.

A criatividade, no mundo dos negócios, trata-se de uma das habilidades mais valorizadas. De acordo com um levantamento da Consultoria McKinsey, até 2030, a demanda por profissionais criativos aumentará em até 40% no Brasil, na Europa e nos Estados Unidos. Afinal, embora a tecnologia esteja em franco desenvolvimento, a inventividade humana é parte desse processo e potencializa as soluções diante de demandas mais complexas e abstratas.

Quando surge a necessidade de inovar e aprimorar produtos, processos ou serviços, a criatividade é a base para propor ideias que vão além do óbvio. No mundo do empreendedorismo, ser criativo é diferencial competitivo diante do fácil acesso a insumos, ferramentas e estrutura de negócio.

E o que é a economia criativa? Aquela desenvolvida a partir do intelecto humano, encontrando soluções para problemas simples ou complexos de forma criativa e inovadora.

Entretanto, ao adotar essa abordagem, a criatividade precisa estar a serviço das necessidades dos consumidores de maneira autêntica, estabelecendo um significado valioso e insubstituível na rotina de quem busca por suas soluções, diferenciando e enfraquecendo a concorrência.

De acordo com o IBGE, o Brasil é um país de destaque em criatividade no mundo, gerando um Produto Interno Bruto que corresponde a 3,1%* do PIB nacional. Onde a economia criativa é um dos setores que mais crescem na economia mundial, com um índice de, aproximadamente, 8.8% de crescimento anual. Além de ser um protagonista na geração de renda, o empreendedorismo criativo é um dos grandes responsáveis, na atualidade, pela criação de novas oportunidades de emprego e ganhos de exportação.

Uma das características mais importantes no empreendedorismo criativo: fortalecimento da cultura e senso de comunidade, que valoriza nosso patrimônio intangível refletindo a identidade do nosso país. Nesse contexto o centro desse tipo de negócio é sempre o cliente, que atualmente se concentra na Geração Z, mais engajada e atuante na promoção de iniciativas criativas e empreendedoras com propósito, pois se identificam mais com empresas que defendem seus valores e preocupações sociais e ambientais.

Por isso, é fundamental estar sempre atento a quem é seu consumidor, onde ele se encontra no mercado, o que e como pensa e quais são suas necessidades. Entender mais do que seus desejos e necessidades, mas como ele acredita que aquele produto ou serviço o representa perante o mundo.

Segundo Renata Tuccimei (CEO da Tuccimei Branding e Business): “O mercado hoje tem uma volatilidade enorme e com fácil acesso ao consumidor, aquisição de tecnologias e metodologias de produção, é importante ter uma marca forte, que faça parte da vida do cliente, com autenticidade de valor. Quando a marca é apaixonante ela não é só vista ou percebida, mas é desejada!”

Mas, como devemos começar a ser um empreendedor criativo? Precisamos nascer criativos? Não, não precisamos. A criatividade pode ser desenvolvida. Para desenvolvê-la, não é preciso ter um “dom” como muitos dizem. Ela pode ser desenvolvida com algumas práticas e estímulos.

1 – Identificação do problema. Muita gente acha que criatividade é pensar na solução, mas tudo flui quando entendemos bem qual o problema a ser solucionado.

2 – Observar os recursos disponíveis para mensurar a capacidade de solução

3 – Estimular a mente estudando áreas de conhecimento diversas e divergentes

4 – Manter o hábito de conhecimento contínuo, além de se manter informado por livros ou jornais, assistir a vídeos ou filmes, ouvir música e podcasts. Conviver com um grupo eclético de pessoas próximas, como amigos e família (por exemplo) também pode ajudar a ser mais criativo. A ideia é estimular o cérebro com novidades. Toda ideia é importante.

Não espere a grande ideia. A expectativa por esse processo pode gerar uma série de frustrações que bloqueiam o processo criativo. Se teve uma ideia, anote, pense mais sobre ela, confie na sua intuição e deixe o fluxo de pensamento fluir.

Related posts

Dengo Chocolates lança primeira trufa com embalagem zero plástico do mercado

A’ Design Awards & Competition – Vencedores

Estratégias Avançadas de CRM: Potencializando o Crescimento em Ambientes de Negócios Digitais