Design

Já ouviu a palavra do Figma hoje, designer?

O Figma tem se tornado uma ferramenta cada vez mais adotada entre os times de design de interface, pela facilidade, flexibilidade e custo.

Como escolher entre as diversas ferramentas de prototipação que existem, atendendo as necessidades de um bom designer de interfaces?

Bom, talvez esse artigo te ajude a conhecer bem o Figma e quem sabe adotar com uma boa ferramenta para se utilizar em seus trabalhos profissionais, acadêmicos e pessoais.

O Figma é uma ferramenta de prototipação, tendo sua interface e funcionalidades muito semelhantes aos conhecidos Adobe XD e Sketch. Porém, a grande diferença começa pela forma de acesso e licença.

Para acessar a ferramenta, basta fazer um cadastro gratuito em Figma.com

Vamos aos pontos bons do Figma:

  1. É online e colaborativo: você pode acessar através de um navegador e compartilhar seu job com outras pessoas, acessando simultâneamente;
  2. É gratuito: claro que ele possui um plano Pro também, mas você pode usar ele gratuitamente até 3 editores simultâneos e com trabalhos infinitos gratuitamente;
  3. Protótipos navegáveis: você constrói seus protótipos e consegue fazer os links de navegação, comparilhando para testes com usuários;
  4. Em tempo real: todas as alterações feitas são exibidas para todos os usuários, inclusive afetando os protótipos;
  5. Biblioteca de componentes e estilos: você pode montar seu design system e utilizar os componentes direto no Figma, sem precisar de extensões;
  6. PLUS : agora com Plugins (farei um post sobre isso), você consegue recursos de extensão do Figma incríveis. É possível preencher um protótipo com dados de uma planilha, por exemplo.

Basicamente, os pontos ruins dele é que não funciona 100% local, necessitando que você tenha uma conta e ele faça a sincronização inicial. Depois disso você consegue usar offline com o arquivo .fig.

A precificação do Figma pode desencorajar, pois é em dolar para adquirir os planos Pro e Corporativo. Porém, vale a pena se você trabalhar com equipes e projetos diferentes, criando um ambiente de trabalho mais organizado e profissional.

Para mostrar como o Figma funciona, criamos um vídeo abaixo que mostra o básico, uns exemplos e ao final faço uma demonstração (time lapse) de como criar a interface do Design Culture no Figma.

Espero que tenha gostado. Compartilhe com os colegas que estão brigando com suas ferramentas atuais ;)

Clique aqui para comentar ( )