Conheça o homem que reuniu as cores mais raras do mundo! – Design CultureConheça o homem que reuniu as cores mais raras do mundo! – Design Culture
Design

Conheça o homem que reuniu as cores mais raras do mundo!

Uma das leis para se tornar um bom profissional é se atualizar sempre. Seja sobre modernidade e tecnologia, seja sobre a história. E hoje vamos voltar para o início do século 20, onde o historiador de arte e ex-diretor do Fogg Art Museum, Edward Waldo Forbes, iniciou uma procura global por cores. Com as mais de 3.000 amostras de materiais, entre elas plantas, insetos e outras fontes, Edward criou uma coleção ímpar de pigmentos, parecido com uma biblioteca de cores e que hoje é  intitulada como The Forbes Pigment Collection e que pertence ao Harvard Art Museum. Este acervo único e singular oferece pesquisas de corantes de todas as tonalidades, acrescentando também matizes metálicas e fluorescentes.

Fonte: Hypeness

Hoje temos uma facilidade incrível para acessar as cores através do computador e pela escala Pantone. Porém, antigamente, para usarmos uma cor primeiro ela deveria existir fisicamente como um pigmento que misturado a uma resina se transformaria, por exemplo, em uma tinta.

O objetivo inicial de Edward era reunir tonalidades dos mais raros e diversos pigmentos para autenticar algumas pinturas italianas clássicas e para isto ele viajou por 30 anos. Sua busca foi tão significativa que ele entrou para história sendo o criador da maior coleção de cores raras do mundo.

Fonte: Hypeness

 

Muitas dessas cores tem uma história curiosa, como é o caso do amarelo feito de urina de vaca, também chamada de Indian Yellow (amarelo indiano). Na aldeia de Mirzapur, em Bihar, na Índia, as pessoas contam que as vacas eram alimentadas com folhas de manga e por isso a urina desses animais ficavam com um tom amarelo e brilhante, perfeito para transformar em corante.

Fonte: Follow The Colours

Também podemos citar o corante roxo que era feito com uma substância secretada por moluscos encontrada na costa mediterrânea e na costa atlântica europeia. Este corante era muito caro justamente porque para produzir 1,4 gramas de corante, eram necessários 12.000 moluscos colhidos, pois apenas uma gota era extraída de cada animal.

Fonte: Follow The Colours

O Museu de Artes Forbes, na Universidade de Harvard, nos EUA, reúne parte desta coleção, cerca de 2.500 amostras de pigmentos. Este acervo é muito utilizado principalmente para fins técnicos e científicos como comprovar se uma pintura é ou não falsificada. E recentemente foi publicado o  livro Atlas of Rare & Familiar Colour que reúne 2.500 cores catalogadas pelo acervo de Forbes.

Fonte: Follow The Colours

Atualmente, esta compilação inclui também pigmentos modernos em vista de ajudar nas análises de obras de arte contemporânea. Contudo, é claro que as estrelas desta coleção são os pigmentos selecionados por Forbes que une perfeitamente a história das artes com a história das cores.

Para saber mais informações sobre esta coleção incrível, clique aqui. Até a próxima!

Clique aqui para comentar ( )