Cinema e Séries

Sete filmes brasileiros em cartaz

O cinema brasileiro vive um momento muito importante, ganhando cada vez mais destaque e, finalmente, conseguindo ocupar mais salas em grandes redes de distribuição, quando comparado as produções hollywoodianas que dominam os cinemas brasileiros.

Engana-se quem pensa que isso tem relação apenas com a qualidade das produções, na maioria dos casos, perdemos espaço simplesmente por business, mas isso é pauta para outro post.

Atualmente temos sete longas em cartaz  (em grandes redes, como Cinemark e Cinépolis) porque não aproveitar o feriado para enaltecer a nossa industria, né? Vamos lá!

COMO NOSSOS PAIS

Direção de Laís Bodansky/ Drama/ 106 min/ 14 anos
Sinopse: Rosa (Maria Ribeiro), 38 anos, é uma mulher que se encontra em uma fase peculiar de sua vida, marcada por conflitos pessoais e geracionais: ao mesmo tempo em que precisa desenvolver sua habilidade como mãe de suas filhas, manter seus sonhos, seus objetivos profissionais e enfrentar as dificuldades do casamento, Rosa também continua sendo filha de sua mãe, Clarice (Clarisse Abujamra), com quem possui uma relação cheia de conflitos.

 

BINGO: O REI DAS MANHÃS

Drama/ 111 min/ 16 anos
Sinopse: Cinebiografia de Arlindo Barreto, um dos intérpretes do palhaço Bozo no programa matinal homônimo exibido pelo SBT durante a década de 1980. Barreto alcançou a fama graças ao personagem, apesar de jamais ser reconhecido pelas pessoas por sempre estar fantasiado. Esta frustração o levou a se envolver com drogas, chegando a utilizar cocaína e crack nos bastidores do programa.

 

DOIDAS E SANTAS

Comédia/ 94 min/ 12 anos
Sinopse: Após 20 anos de casamento, Beatriz (Maria Paula) decide mudar de vida. Para tanto ela resolve se divorciar e experimenta um mundo até então desconhecido.

 

D.P.A – DETETIVES DO PRÉDIO AZUL

Direção de André Pellenz /Infantil/ 90 min/ livre
Sinopse: Os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo (Pedro Henrique Motta), Sol (Letícia Braga) e Bento (Anderson Lima) se infiltram na festa de Dona Leocádia (Tamara Taxman), a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa. Lá eles presenciam um crime “mágico”, que condena o Prédio Azul a uma demolição de emergência. Para completar, a única testemunha – o quadro falante da Vó Berta (Suely Franco) – desaparece, e Dona Leocádia é enfeitiçada para ficar boazinha. A aventura fica completa quando Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos), fundadores do clubinho original, são trazidos de volta ao Rio de Janeiro para ajudar no caso.

 

UM TIO QUASE PERFEITO

Direção de Pedro Antonio/ Comédia/ 96 min/ livre
Sinopse: Tony (Marcus Majella) é um malandro trambiqueiro que adora se disfarçar para ganhar dinheiro de inocentes. Ele já foi estátua viva, pastor, cartomante – tudo com a ajuda de sua mãe, Cecília (Ana Lucia Torre). Depois de serem despejados de casa, os dois procuram Ângela, outra filha de Cecília e com quem eles não falam há anos, que cai na lábia dos dois e se oferece para dividirem o mesmo teto. Após receber uma promoção no emprego que a obriga a passar um tempo viajando, Angela decide deixar os seus três filhos sob os cuidados do Tio Tony – o que vai ocasionar muitas confusões.

 

JOÃO, O MAESTRO

Direção de Mauro Lima/ Drama/ 117 min/ 12 anos
Sinopse: Quando criança, João Carlos Martins foi considerado um prodígio do piano. Aos poucos, sua fama ganhou os noticiários e levou o músico à Europa e a outros países da América do Sul. Estabelecido como pianista de sucesso, na fase adulta, sofre um acidente que prejudica o movimento da mão direita. João tenta se reestabelecer e, enquanto isso, apresenta-se em concertos para uma mão só. No entanto, um segundo acidente retira os movimentos da mão esquerda. João reiventa-se mais uma vez, como maestro.

 

O FILME DA MINHA VIDA

Direção de Selton Mello/ Drama/ 102 min/ 14 anos
Sinopse: O jovem Tony (Johnny Massaro) decide retornar a Remanso, Serra Gaúcha, sua cidade natal. Ao chegar, ele descobre que Nicolas (Vincent Cassel), seu pai, voltou para França alegando sentir falta dos amigos e do país de origem. Tony acaba tornando-se professor, e vê-se em meio aos conflitos e inexperiências juvenis.

Nossas produções ficam pouquíssimo tempo em exibição, então, vamos lá! Tem muita coisa boa em exibição.

Clique aqui para comentar ( )