Inspirações

Entrevista com Cassius Violet: Design Gráfico e Storytelling

Cassius Violet é uma designer autodidata de 22 anos, nascida e crescida em Belfast (Irlanda do Norte). A artista trabalha com design gráfico por volta de quatro anos e utiliza o Adobe Photoshop Elements 11 em suas criações.

Cassius é conhecida no Tumblr por suas artes conceituais que fazem diversas referências a filmes, séries, livros e obras de arte — sejam clássicas ou contemporâneas —, sendo assim, a narrativa visual (storytelling) tem presença unânime em suas peças gráficas. Aliás, uma característica marcante de seu estilo artístico é o uso de mixed media — termo que designa uma composição que mescla diversas técnicas provindas de várias mídias, sejam tradicionais ou digitais.

1. Você ama criar novos posters e peças gráficas conceituais de seus produtos midiáticos (como filmes, séries e livros) favoritos. Criar fanarts te induziu a entrar no mundo do design? Exatamente quando o seu interesse por criar peças gráficas emergiu?

Eu honestamente não vejo uma linha divisória entre arte feita por fã e arte. Eu vejo posters e desenhos de personagens de livros, séries, filmes, etc; e para mim, essas obras estão no mesmo nível de qualquer outro trabalho artístico. Por anos, acompanhava um grande número de pessoas produzindo incríveis fanarts e eu invejava o talento delas (risos). Naquele ponto, tudo o que eu sabia fazer no Photoshop era transformar uma imagem colorida em preto e branco. Eu queria tanto transmitir meus próprios sentimentos e minhas visões acerca dos meus personagens e universos fictícios favoritos, mas não tinha nenhuma habilidade artística para fazê-lo.

Então, uma série chamada Hannibal estreou, e por ela ser nova e visualmente interessante, foi aí que comecei a testar e “brincar” no Photoshop. A primeira arte que fiz recebeu dois comentários positivos, e graças ao feedback, isso me deu ânimo suficiente para querer criar mais, mais e mais. No decorrer da série, eu evolui muito artisticamente e fiz milhares de peças gráficas desde então. Encontrar as ferramentas certas e saber manipulá-las para criar a arte que você quer fazer é imensamente satisfatório, isso te liberta. Aprender o ofício é importante, mas minha paixão vem da narrativa e eu não consigo me apaixonar por uma composição visual se não houver uma narrativa, um conceito, um significado por trás dela.

2. Quais artistas você mais admira e se inspira? Por quê?

Pergunta difícil! Eu recebo muito desse tipo de pergunta no meu blog e minhas respostas estão por todos os lados porque eu não consigo escolher apenas um grupo de artistas como minha inspiração (risos). Steven Spielberg, Carol Ann Duffy e Wendy Torrence são alguns dos nomes que me inspiram e nenhum deles trabalham com design gráfico. Minha inspiração está mais atrelada ao humor do que propriamente a técnica. Usualmente, quando eu gosto de um artista, eu admiro a habilidade impecável deles de capturar uma atmosfera, uma essência, uma vibe. Seja isso em um filme, um poema, uma roupa, entre outros. Eu adoro olhar para as diagramações das revistas dos anos 70 e colagens dos anos 80. Eu amo os posters de Drew Struzan e as fotografias de Sally Mann. Eu sou uma grande admiradora do trabalho de Midnight Marauder. Seu trabalho é afiado, denso e cheio de vida. Eu sou fascinada pela sua consistência e habilidade.

3. Você pode descrever o seu estilo de arte em poucas palavras? Aliás, o que seu estilo de arte revela sobre você?

Isso vai soar terrivelmente pretensioso, mas se eu tivesse que descrever meu trabalho, eu descreveria que ele é como um Crystal Clear Dreaminess — em tradução livre, “claro cristal onírico”. 

Eu realmente amo ter ideias abstratas com um esqueleto estruturado. Eu adoro criar algo que é esquisito o bastante para ser singular, e que tenha um bom acabamento para fazer parte deste mundo (físico). Eu gosto de pensar que eu sou o mestre de sonhos; criando algo físico de um universo ou pensamento abstrato.

4. Que conselho você daria para as pessoas que querem começar a criar peças gráficas, especialmente criar peças dedicadas aos seus filmes e séries favoritas?

A dica que eu posso dar para todos é: comecem agora. Se você quer criar, pesquise, corra atrás, busque conhecimento, tenha arsenal suficiente para criar.

Quando eu comecei a criar no meu laptop anos atrás, eu não tinha ideia do que eu tava fazendo, mas eu estava amando cada segundo gasto em tutoriais e tentativas frustradas no Photoshop. Fazer arte, mesmo que seja ruim, dá-lhe uma confiança e alegria que você não tinha antes. Mesmo se você é uma porcaria no início (o que é normal), você só melhorará mais e mais com o tempo e prática. E também, faça isso por si mesmo, não pelos outros. Se as pessoas adoram suas coisas, isso é apenas uma vantagem. No final, faça arte porque lhe traz alegria.

Clique aqui para comentar ( )