Design

Onboarding Design – Dando boas vindas ao usuário em grande estilo

Muitas vezes nós abandonamos um cadastro porque ele é grande ou só por preguiça mesmo. O desafio do designer é fazer você utilizar o sistema, passando por todas as etapas essenciais sem ser “sacal”.

Com certeza você já passou por algum cadastro em um site que você teve umas 5 etapas para concluir. Ao final – se você chegou lá – fica aquela sensação de vencer uma batalha para conseguir apenas ter acesso ao conteúdo.

Hoje muitos sistemas e sites estão tentando fazer com que o seu acesso seja efetivo, sem parecer difícil ou longo demais. Isso é o processo de onboarding, onde o sistema provê mecanismos que auxiliam o usuário a preencher os cadastros essenciais e diminuir o churn (perda/abandono). Além disso, também aumenta o engajamento do usuário.

Isso é tão discutido e bem visto nas empresas a ponto de se tornar uma cultura, gerando até o processo de onboarding do colaborador/funcionário. Nesse processo a empresa prepara uma série de conteúdo, sintetizado, para que o novo colaborador entenda e pratique suas atividades o mais rápido possível.

Tá… mas e o designer, entra onde nisso?

 

Desde a descoberta dos problemas e cenário do usuário, até o desenho do processo de onboarding, como um projeto de gamificação, o designer mapeia e projeta artefatos e artifícios que tornem todo o processo satisfatório e “concluível”. Criando pontos de análise e melhoria, assim como bonificações e guias interativos.

É muito comum você já ter visto um “Tour virtual” em alguma plataforma, onde, no formato de Wizard, o sistema mostra os pontos principais do sistema para que o usuário consiga realizar as tarefas que o trouxe até aqui. Isso é um exemplo inicial de onboarding, mas não é o processo todo pois existem outros pontos a serem mapeados e podem ser pensados através das perguntas:

  • O que o sistema oferece?
  • O que o usuário está procurando?
  • Quais as metas de uso do sistema?
  • Até onde os usuários conseguem chegar sozinhos?
  • Quais os pontos fracos do sistema?
  • Quantas vezes o usuário utilizou o recurso X?
  • Onde estão as informações para o usuário completar sua tarefa, caso esqueça?

Pensar em um processo de onboarding que traga um retorno é planejar ações coordenadas de análise, criação gráfica e mapeamento de fluxo do usuário.

Clique aqui para comentar ( )