Cinema e Séries

The Rock à toda prova em Arranha-Céu: Coragem sem Limite

Portadores de acrofobia, se afastem! O filme que comento não é nada recomendado para pessoas com medo de altura, especialmente em sessões 3D. Arranha-Céu: Coragem sem Limite é o novo projeto do diretor Rawson Marshall Thurber (Família do Bagulho), que também se responsabiliza pelo roteiro e pela produção do longa, o segundo de sua carreira em parceria com Dwayne Johnson (dirigido por Rawson na comédia Um Espião e Meio) e traz a eletrizante história de um homem disposto a tudo para salvar sua família de uma cilada no 100º andar do Pérola, a fictícia construção mais alta do mundo, situada em Hong Kong.

Will Sawyer é um agente do FBI aposentado após uma operação inexitosa do qual perdeu parte de uma perna. Afastado das ruas e agora casado com a médica militar Sarah (Neve Campbell, de Pânico e House of Cards) e pai de um casal de filhos, aceita o trabalho de inspetor de segurança naquele que é o mais impetuoso prédio da construção civil mundial, o Pérola, e o teste de seu ofício requer que a família se mude para o mesmo, a convite do proprietário, o magnata Zhao Long Ji (Chin Han). Uma vez que o edifício é totalmente controlado via digital, hackear o prédio é uma possibilidade bastante tentadora para os inimigos do bilionário Zhao, que usarão a família de Will Sawyer para atingir seus objetivos nada escrupulosos.

Essa premissa é o pontapé inicial para uma das aventuras mais eletrizantes do cinema em 2018. The Rock está no seu melhor papel desde Terremoto: A Falha de San Andreas (2015), filme que, aliás, comunga de várias situações parecidas com a estreia dessa semana, mas é justo concordar que Arranha-Céu é melhor. Esse é o terceiro filme protagonizado pelo ator a chegar aos cinemas brasileiros esse ano, mas quem julgou que Rampage e Jumanji estavam aquém do padrão Dwayne Johnson de aventura, pode se acalmar porque Arranha-Céu cumpre com fidelidade a missão de impressionar um público sedento pelo incrível.

Totalmente baseado em efeitos especiais, o cenário do longa se concentra nos 220 andares do Pérola e em todas as ciladas inerentes a uma edificação que possui 6 andares de parques, outros tantos pisos tomados por área comercial e mais de 100 pavimentos residenciais, tudo com funcionamento lastreado na mais alta tecnologia. A construção visual do prédio em muito se assemelha à Avalon, a nave interestelar e cenário único de Passageiros (2016), um longa que soube deslumbrar plateias pelo quesito vista. Filmes como esses apresentam ao mundo situações que nunca serão experimentadas na realidade, mas a visceralidade do medo leva o público a vibrar por saltos, correrias e socos oportunos como se a própria pele estivesse em jogo.

Para aqueles que estão acostumados com filmes que se arrastam até um clímax gerado por causas ocorridas instantes antes, pode esperar que Arranha-Céu definitivamente não é assim. Ou seja, da primeira à última sequência, a ação desmedida e o perigo iminente estão intrincados em todos os momentos do roteiro, que brinca com o emocional de uma plateia enternecida com os desdobramentos.

Como tudo na vida, o ponto fraco existe e nesse caso, se volta à vilã inominada (Hannah Quinlivan) que parece ter sido retirada do longa infantil Beethoven 2 (1993) com suas caras e bocas desnecessárias para assassinar oponentes com um olho coberto por uma franja inoportuna. Se a vilã deixa a desejar, o vilão cobre o desabono. Roland Moller surge em meio a todo mistério de ar escandinavo para mostrar que o perigo está muito mais perto da família de Will Sawyer do que ele imagina. E se o girl power restou prejudicado por causa de uma maldosa não-convincente, esse quesito esborra das atuações de Neve Campbell (Sarah Sawyer) e Elfina Luk (a intuitiva agente policial que tenta impedir a catástrofe ao lado do Inspetor Wu).

Por tudo quanto exposto, é certo que a estreia da semana retrata um belo exemplar cinematográfico de qualidade técnica reunido a um roteiro cativante com atuações convincentes. The Rock só cresce na indústria cinematográfica e vem oferecendo trabalhos de qualidades diversas, sendo essa voltada à dramaticidade em tela, financiada por um excelente departamento de efeitos visuais que deixará qualquer um abismado com o resultado visto. Resumindo, é nada menos do que esplendoroso.

Arranha-Céu: Coragem sem Limite estreia na quinta-feira, 12 de julho. Confira o trailer no link a seguir:

Clique aqui para comentar ( )